Início / Agricultura / Lousamel investe no melhoramento genético da abelha ibérica

Lousamel investe no melhoramento genético da abelha ibérica

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Cooperativa Lousamel está a desenvolver um projecto para melhoramento genético da abelha ibérica, que passa pela obtenção de rainhas seleccionadas com o objectivo de aumentar a produção de mel, anunciou uma responsável da empresa.

Coordenado pelo investigador brasileiro André Halak, o projecto visa “ajudar os apicultores a produzir abelhas com mais qualidade”, o que deverá contribuir para um aumento da produção de mel, disse à Lusa Ana Paula Sançana, directora executiva da Lousamel, com sede na Lousã, no distrito de Coimbra.

“Não estamos a tirar partido da nossa raça autóctone”, adiantou, realçando que a “apis mellifera iberica”, que existe apenas na Península Ibérica, “é uma abelha rústica que, apesar de ser mais nervosa” do que as restantes parentes europeias, “está bem adaptada” ao clima de Portugal, segundo o site da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal, que cita a Lusa.

No âmbito de uma parceria com a Escola Universitária Vasco da Gama, de Coimbra, os trabalhos de campo e de laboratório, iniciados em Setembro de 2015, irão prolongar-se por dois anos, desenvolvidos pelo engenheiro agrónomo André Halak, doutorado na área do aperfeiçoamento genético de abelhas.

Autarquia apoia criação de centro de melhoramento

A Câmara da Lousã anunciou, em comunicado, que apoia a criação e o funcionamento do Centro de Melhoramento Genético da Abelha Ibérica com 12.500 euros, ao abrigo de um protocolo com a Cooperativa Lousamel, a que preside o apicultor António Carvalho.

“O trabalho para o melhoramento genético da abelha é de extrema importância para a protecção desta espécie”, afirma o presidente da autarquia, Luís Antunes.

O autarca salienta que se trata de “um incentivo para a preservação de um dos produtos endógenos mais reconhecidos do concelho”, o mel com denominação de origem protegida (DOP) Serra da Lousã.

Segundo Ana Paula Sançana, a investigação visa obter animais mais fortes e preservar a “apis mellifera iberica” da poluição genética resultante do cruzamento com abelhas importadas, melhorando ao mesmo tempo as práticas de maneio dos enxames. “Tem havido um mau aproveitamento da nossa genética”, verificando-se “índices elevados de consanguinidade”, alertou. A futura certificação da abelha ibérica e a diversificação dos negócios da Lousamel são outros dos objectivos do projecto.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Estudo do Novo Banco: produtos agroalimentares “certificados são fundamentais para aumento do valor da produção no mercado”

Partilhar              O Novo Banco marcou presença na Feira Nacional de Agricultura/Feira do Ribatejo, em Santarém, entre 9 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.