Início / Agricultura / João Ponte: não faz sentido apoiar outras raças autóctones nos Açores para além do ‘Ramo Grande’

João Ponte: não faz sentido apoiar outras raças autóctones nos Açores para além do ‘Ramo Grande’

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O secretário Regional da Agricultura e Florestas dos Açores afirmou ontem, 27 de Junho, em Angra do Heroísmo, que não se justifica apoiar outras raças bovinas autóctones nos Açores para além da raça do ‘Ramo Grande’.

João Ponte falava na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa sobre o projecto de resolução do PCP que pretende que o Governo Regional apoie, nos Açores, outras raças bovinas autóctones portuguesas.

“O Governo Regional não concorda, na medida em que já existe um apoio específico para a raça autóctone do ‘Ramo Grande’, que é a raça bovina própria da Região Autónoma dos Açores”, afirmou João Ponte, acrescentando, porém, que nada impede que os agricultores, se assim o entenderem, possam criar outros tipos de raças autóctones bovinas.

O titular da pasta da Agricultura salientou ainda que, no âmbito das negociações para o POSEI e PRORURAL+ com as associações parceiras do sector, nunca houve qualquer intenção de introduzir outras raças bovinas autóctones na Região com apoios específicos, como acontece com o ‘Ramo Grande’.

Em Portugal estão oficialmente reconhecidas como autóctones 15 raças de bovinos, entre elas a do ‘Ramo Grande’.

Projecto do PCP

Nesta audição parlamentar, João Ponte pronunciou-se também sobre outro projecto de resolução do PCP, que defende a criação de um regime de apoio às práticas agrícolas tradicionais com valor educativo e cultural.

O secretário Regional da Agricultura e Floresta considerou que esta iniciativa não é clara quanto ao objectivo e ao tipo de apoio pretendido, salientando ainda que não faz sentido criar novos apoios, uma vez que “já existe na Região um conjunto de programas e medidas de apoio à agricultura menos convencional e mais tradicional”, como a manutenção para a extensificação da produção, conservação de corraletas e lajidos da cultura da vinha, conservação de pomares tradicionais e sebes para culturas hortofrutícolas e plantas aromáticas, entre muitas outras.

João Ponte afirmou que os apoios existentes dão resposta às pretensões do PCP, lembrando que há um conjunto de iniciativas do foro das autarquias e associações de desenvolvimento local que têm tido um papel muito importante ao nível da preservação da agricultura e das práticas agrícolas tradicionais, financiadas pelo PRORURAL+.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Docapesca abre concurso para sinalização do estado da barra e avisos de temporal em Quarteira

Partilhar            A Docapesca – Portos e Lotas abriu um concurso para a sinalização visual do estado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.