Início / Mar / Ambiente / IPMA lança GelAvista para a monitorizar organismos gelatinosos

IPMA lança GelAvista para a monitorizar organismos gelatinosos

O Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA) acaba de lançar o programa GelAvista para a monitorização de organismos gelatinosos em toda a costa continental portuguesa.

Este é um programa que, à semelhança do que acontece noutros países, recorre aos cidadãos voluntários para obter dados com o intuito de monitorizar as populações de organismos gelatinosos (como as medusas) na costa portuguesa.

“Esta é uma actividade de Ciência cidadã cujo objectivo é informar os cidadãos mas também fazê-los participar na ciência que se vai fazendo no estudo dos organismos gelatinosos”, explica o IPMA.

O programa GelAvista pretende envolver a população em geral para a recolha de informação relativamente à presença de qualquer organismo de aspecto gelatinoso nas praias, marinas, debaixo de água ou quando recolhido nas redes de pesca. Para tal, basta que os cidadãos enviem a informação do avistamento (data, local, numero de organismos e fotografia, se possível) para o email plancton@ipma.pt.

O grupo dos gelatinosos é composto por uma grande variedade de espécies, muito diferentes entre si, mas que partilham a propensão de criar ‘blooms’. Ou seja, devido ao seu complexo ciclo de vida, estes organismos têm uma capacidade de reprodução e crescimento muito rápidos, originando um aumento da sua abundância e biomassa.

Apesar do reconhecimento da sua existência, estes organismos “têm sido ignorados pela ciência em todo o mundo, devido à sua inerente dificuldade de recolha e estudo, bem como à errada noção de que não são importantes nos ecossistemas. No entanto, esta noção não poderia estar mais longe da verdade”, adianta o IPMA.

Medusas com impacto negativo na economia

Os blooms severos de gelatinosos podem ter impactos muito negativos nas actividades económicas, especialmente na pesca, mas também no turismo, aquacultura entre outros. A grande abundância e concentração de gelatinosos poderá ter um impacto nas populações de peixes pelágicos, através do consumo dos seus juvenis ou, indirectamente, do consumo do seu alimento (zooplâncton). Além disso, podem também ser capturados nas redes de pesca, diminuindo a capacidade de recolha de cada lance.

“Em Portugal pouco se sabe sobre a distribuição, diversidade e dinâmica das populações de organismos gelatinosos. Apesar da sua importância, os estudos existentes são poucos e localizados e não existe um conhecimento científico geral a nível nacional. Para ajudar a colmatar esta lacuna, o programa GelAvista ambiciona envolver a população na ciência, através da sua participação com informação que vai ser importante para adicionar aos restantes dados que são obtidos nos projectos científicos de maneira a aumentar significativamente o conhecimento destes organismos, especialmente no contexto atual de alteração climática. Todos os contributos terão o reconhecimento devido” explica Antonina dos Santos, responsável pelo programa.

Igualmente, o IPMA apresenta um documento com informação útil das espécies com maior probabilidade de serem avistadas, o que fazer se for picado por um destes organismos, bem como informação geral sobre a toxicidade e biologia das mesmas.

Informação útil das espécies com maior probabilidade de serem avistadas

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Investigadores do Politécnico de Leiria estudam produção sustentável de papaias em aquaponia

Partilhar              Um grupo de investigadores do pólo de investigação do LSRE-LCM no Instituto Politécnico de Leiria …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.