Início / Agricultura / INIAV estuda oportunidades do trigo mole com baixo teor em pesticidas

INIAV estuda oportunidades do trigo mole com baixo teor em pesticidas

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária está a coordenar vários Grupos Operacionais dedicados à Acção 1.1, no âmbito do PRD 2020. Um deles dedica-se à oportunidade de negócio da produção de trigo mole com baixo teor em pesticidas para a produção de farinhas lácteas para bebés.

O Grupo Operacional é coordenado pelo INIAV, tendo como parceiros a Anpoc — Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais, a Cersul – Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul, a Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches, a Espiralpixel e o Instituto Politécnico de Beja.

Segundo o Grupo Operacional, Portugal, pelas suas condições climáticas específicas e pelas características do solo, é um País competitivo na produção deste tipo de cereais que têm um valor de mercado superior ao trigo mole panificável corrente, com um prémio acrescido de 30€/tonelada.

Benefícios

Neste mercado, beneficiam os agricultores que ao poderem recorrer a um serviço de aconselhamento e de assistência técnica (por parte dos técnicos das Organizações de Produtores), conseguem obter maior rendimento em culturas de qualidade mais elevada utilizando menos recursos.

O facto de serem culturas para sequeiro incentiva a promoção num sistema cultural ainda muito significativo em zonas que não são beneficiadas por regadio.

Ganham também os consumidores que reforçam a confiança nos produtos que compram, com a certeza de que são seguros, de alta qualidade e produzidos de acordo com práticas agrícolas sustentáveis, realça aquele grupo de trabalho.

As variedades recomendadas, a obrigatoriedade de utilização de semente certificada, o cumprimento da rotação de culturas e as técnicas culturais permitidas para a obtenção destas matérias-primas são muito exigentes e rigorosas.

Novas raças de ferrugem amarela

Com o aparecimento de novas raças de ferrugem amarela, quebrou-se a resistência/tolerância da maioria das variedades existentes no mercado, acrescenta aquele Grupo Operacional.

Neste contexto torna-se urgente avaliar e testar novas variedades de trigo mole previamente identificadas pela Investigação como resistentes/tolerantes, bem como reforçar o controlo das práticas culturais adequadas de forma a continuar a garantir os critérios de exigência para este tipo de produto.

Esta iniciativa propõe-se atingir os seguintes objectivos:

  • Seleccionar variedades adequadas à produção da fileira dos trigos de baixo teor de pesticidas (BTP), ou seja, aquelas que apresentam resistência ou tolerância às principais doenças e pragas prevalecentes, nomeadamente às novas raças de ferrugem amarela;
  • Validar as variedades seleccionadas, por parte da produção, testando e comprovando o seu comportamento em scale up;
  • Dotar os beneficiários de uma maior capacitação para a produção deste tipo de matéria-prima;
  • Reunir e estruturar informação visando a optimização e actualização dos cadernos de campo.

Pode consultar o trabalho do Grupo Operacional aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Ambição Agro 2020-30. António Costa: “robustecer sector agrícola nacional é fundamental para recuperar economia”

Partilhar            O primeiro-ministro António Costa afirmou que para recuperar e a economia e torná-la mais resiliente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.