Início / Agricultura / Industriais de Carnes pedem na Agricultura “alguém com conhecimento prático, experiência e idade suficientes para não precisar do Governo para se promover”

Industriais de Carnes pedem na Agricultura “alguém com conhecimento prático, experiência e idade suficientes para não precisar do Governo para se promover”

A direcção da APIC — Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes considera que “é altura de o Governo reconhecer a importância do Ministério da Agricultura e da Alimentação e nomear alguém com conhecimento prático, experiência e idade suficientes para não precisar do Governo para se promover”.

E pede alguém “que saiba servir a causa, ser funcionário público na acepção da palavra, e não, que se sirva do cargo em prol de si mesmo. Sobretudo que seja uma pessoa com a coragem que precisamos para voltar a trazer a dignidade que este sector merece”.

“O secretário de Estado da Agricultura, por questão de saúde, foi substituído, na semana passada e ficámos outra vez com o lugar vazio. Aguarda-se agora saber quem será o novo secretário de Estado. É a pergunta para um milhão de euros. Ainda ninguém sabe”, refere a Associação em comunicado.

E acrescenta que “a agricultura, a pecuária, a indústria agroalimentar, aguardam com a atitude de complacência que lhe são comuns, perante as dúvidas sobre quem será o escolhido pelo Governo. Não somos exigentes, nem pretendemos imiscuirmo-nos no processo de selecção e/ou escrutínio a fazer pelo Senhor primeiro-ministro. Apenas pedimos que o(a) secretário(a) de Estado seja uma pessoa com competência técnica, com capacidade de decisão e que conheça o terreno, não queremos teóricos”.

“Pretendemos ainda que seja uma pessoa desprendida e com capacidade de diálogo”, frisa o mesmo comunicado.

Para a direcção da APIC, “o sector da carne precisa que a pessoa em causa, seja alguém sem medos, que saiba defender o sector que tem contribuído para o desenvolvimento de Portugal, sobretudo o Portugal profundo, onde é tão difícil promover postos de trabalho que garantam a fixação das pessoas”.

E realça a Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes que “deixámos uma pandemia para trás, mas não podemos esquecer que durante todo o período de confinamento, quando as pessoas até tinham medo de sair de casa, não era só por obrigação legal. Desenganem-se, havia também um medo imenso por parte das pessoas em geral de saírem à rua, mas a agropecuária e a indústria dos alimentos continuaram a sua actividade, criando planos de contingências, horários e turnos desfasados para garantir os alimentos à mesa dos consumidores”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Livro Branco do Regadio Público. Pode dar o seu contributo até 30 de Junho de 2023

Partilhar              “Conscientes de que o desafio das alterações climáticas e a sustentabilidade no uso dos recursos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.