Início / Featured / Índia quer ser observador na Comunidade de Países de Língua Portuguesa
Foto: Portal do Governo - Paulo Vaz Henriques

Índia quer ser observador na Comunidade de Países de Língua Portuguesa

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os primeiros-ministros de Portugal, António Costa, e da Índia, Narendra Modi, tiveram uma reunião de trabalho antes do Chefe do Governo português ter discursado como convidado de honra nas cerimónias de comemoração do 150.º aniversário de Mahatma Gandhi, em Nova Deli.

Os dois primeiros-ministros discutiram as formas de aprofundar as boas relações bilaterais – que atravessam uma fase muito positiva, impulsionada pelas visitas recíprocas dos dois primeiros-ministros em 2017 –, mas também as relações entre a União Europeia e a Índia, e temas de âmbito regional e global de mútuo interesse.

Lusofonia

Numa declaração à agência Lusa, o primeiro-ministro disse que o seu homólogo Narendra Modi lhe comunicou que a Índia decidiu requer o estatuto de observador na Comunidade de Países de Língua Portuguesa, contando iniciar o processo rapidamente.

António Costa afirmou que esta é “uma excelente notícia. Tenho a certeza que todos os países da CPLP irão acolher como muito positivo esse reconhecimento da parte da Índia sobre a importância geo-estratégica, política e cultural de um espaço que percorre todos os continentes e que reúne cerca de 260 milhões de habitantes”.

A CPLP existe desde 1996, tendo vários países e organizações internacionais como observadores. Pelo passado histórico entre Portugal e a Índia, nomeadamente nas décadas mais recentes, o pedido do estatuto de observador tem um particular significado político.

Aliança das maiores democracias

No que respeita às relações entre a Índia e a União Europeia, o primeiro-ministro português transmitiu ao primeiro-ministro Modi “o empenho de Portugal” em elevá-las para um patamar superior.

António Costa transmitiu “a Narendra Modi uma mensagem do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no sentido de que há uma vontade de estreitar as relações entre a União Europeia e a Índia”.

“Queremos fazer uma grande aliança dos maiores espaços democráticos a nível mundial para encarar os grandes desafios do futuro”, disse, que apontou o combate às alterações climáticas, a transição para a sociedade digital e o combate às desigualdades.

“São domínios onde temos muito a fazer em conjunto”, disse, acrescentando que encontrou “da parte do primeiro-ministro Modi uma grande abertura para retomar as relações mais próximas da Índia com a União Europeia, visto que desde 2014 que não ser realiza uma cimeira”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fará uma visita de Estado à Índia entre 13 e 17 de Fevereiro de 2020.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Webinar. Portugueses e espanhóis juntam-se para debater a pecuária extensiva face aos novos desafios da PAC

Partilhar            A ACOS – Associação de Agricultores do Sul, em conjunto com a União dos Agrupamentos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.