Início / Agricultura / Incêndio. Serra da Agrela. 100 cães mortos. PAN quer ministro da Administração Interna no Parlamento “com carácter de urgência”

Incêndio. Serra da Agrela. 100 cães mortos. PAN quer ministro da Administração Interna no Parlamento “com carácter de urgência”

O Grupo Parlamentar do PAN – Pessoas-Animais-Natureza deu entrada de um requerimento, na Assembleia da República, em que solicita com “carácter de urgência” a presença do ministro da Administração Interna (IGAI), Eduardo Cabrita, no Parlamento para prestar esclarecimentos sobre os procedimentos do processo de inquérito relativo à actuação da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Protecção Civil no âmbito do incêndio na Serra da Agrela, em Santo Tirso. Morreram 100 cães.

“Exactamente cinco meses depois do incêndio que resultou na morte desastrosa de cerca de 100 animais em Santo Tirso, a IGAI concluiu “não haver indícios da prática de qualquer infracção disciplinar por parte dos guardas da GNR e dos agentes da Protecção Civil no incêndio na serra da Agrela”.

Para a líder do Grupo Parlamentar do PAN, Inês de Sousa Real, “a morte destes animais poderia ter sido evitada com o seu resgate. Urge, por isso, o cabal esclarecimento do processo que conduziu a estas conclusões, mas sobretudo o apuramento de responsabilidades para que Santo Tirso não fique esquecido, porque quem lá esteve não conseguirá esquecer”.

Na sequência do incêndio que atingiu a Serra da Agrela em Julho, diz o PAN, vários testemunhos, relatos e material fotográfico foram divulgados em que “centenas de cidadãos e cidadãs se mobilizaram para resgatar os animais que ainda se encontravam dentro dos abrigos atingidos e aos quais foi negado acesso pelas forças de autoridade presentes no local, resultando na morte de cerca de 100 animais que se encontravam em dois canis em situação ilegal”.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Consulta pública sobre Acordo Comercial UE-Canadá termina a 25 de Abril

Partilhar              A Comissão Europeia tem em curso, até dia 25 de Abril de 2024, uma consulta …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.