Início / Agricultura / ICNF já tem Plano de Acção para Controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro até 2022

ICNF já tem Plano de Acção para Controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro até 2022

O ICNF — Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas já elaborou um novo plano Plano de Acção Nacional para Controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro para o período 2018-2022.

O anúncio foi feito no passado dia 6 de Dezembro, no Fitonotícias nº 16 e adianta que haverá um “reforço no uso das tecnologias de informação, estando prevista uma plataforma I&T (Plataforma FITO 4.0)”.

Este plano caracteriza-se por ajustar as acções a prioridades decorrentes do risco de dispersão do nemátodo da madeira do pinheiro (NMP) para a Zona Tampão (ZT) e para a sua área adjacente (ADJZT), permitindo uma actuação mais eficaz e eficiente de Portugal na aplicação das medidas de emergência para controlo daquela praga.

Perigo maior após incêndios de 2017

“A relevância do novo plano justifica-se ainda pela grande extensão de área florestal que ficou mais susceptível à infestação após os incêndios de 2017 e pelo conhecimento emergente, resultante da implementação da Agenda de Investigação e Inovação do Centro de Competências do pinheiro bravo, no âmbito dos Grupos Operacionais apoiados pelo PDR 2020”, salienta o ICNF.

Objectivos gerais do Plano:

  • estabelecer as medidas e acções que visem a contenção do NMP, evitando a sua dispersão em território nacional, em concreto para a ZT, e para outros Estados-Membros, integrando o conhecimento sobre os factores de risco;
  • consagrar uma estratégia de controlo assente na gestão do risco, com estabelecimento de prioridades de intervenção e adequação de meios;
  • assegurar a implementação e gestão de um sistema de informação que integre a gestão de risco e garanta um adequado apoio à tomada de decisão e comunicação;
  • promover a produção de conteúdos de divulgação e sensibilização que difundam boas práticas fitossanitárias;
  • potenciar a aplicação de novos conhecimentos, facilitando a articulação entre as entidades do sistema nacional de I&D e as responsáveis pela definição, implementação e acompanhamento das acções de prevenção e controlo.

Nível de complexidade acrescido

Dizem ainda os responsáveis pelo Instituto que, inerente a estes objectivos “existe um nível de complexidade acrescido nos processos de tomada de decisão respeitantes aos procedimentos de monitorização, amostragem e controlo do NMP”.

Consequentemente, haverá um “reforço no uso das tecnologias de informação, estando prevista uma plataforma I&T (Plataforma FITO 4.0) dotada de funcionalidades que permitam uma gestão mais eficiente e célere da informação, com consequente operacionalização e comunicação dos resultados obtidos mais eficazes”.

Nemátodo da Madeira do Pinheiro

O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP) é um verme microscópico do grupo das lombrigas considerado uma grave ameaça aos povoamentos de pinho, principalmente pinheiro bravo (Pinus pinaster Aiton), por ser um agente que causa a “doença da murchidão do pinheiro”.

Este é considerado um dos organismos com maior potencial destrutivo para a floresta de coníferas, tendo sido detectado pela primeira vez em Portugal em 1999.

Atendendo aos seus potenciais impactos ao nível ecológico, económico e social, é considerado organismo prejudicial para a União Europeia e identificado, pela Organização Europeia e Mediterrânica para a Protecção das Plantas, como organismo de quarentena (Lista A1 da OEPP), existindo fortes restrições à circulação de plantas, material lenhoso, produtos e subprodutos das espécies hospedeiras do NMP.

Longicórnio do pinheiro (Insecto-vetor)

O nemátodo é transmitido às árvores por um insecto-vector, o longicórnio do pinheiro. A dispersão do nemátodo está limitada ao período de voo do insecto, de Abril a Outubro.

Sintomas:

  • Amarelecimento e murchidão das agulhas (primeiro as mais antigas, estendendo-se gradualmente a toda a copa);
  • Diminuição da produção de resina;
  • Manutenção das agulhas mortas por período prolongado;
  • Existência de ramos secos mais quebradiços que o habitual, levando à secura total da copa.

Como combater a doença?

O controlo do NMP faz-se sobretudo através de uma gestão activa dos espaços florestais e que deverá passar por:

  • Detectar e remover os pinheiros mortos ou com sintomas de declínio, preferencialmente no período de Novembro a Março de cada ano;
  • Eliminar todos os sobrantes de exploração florestal;
  • Controlar a população do insecto-vector durante o seu período de voo (Abril a Outubro) por meio de armadilhas.

A quem compete a remoção das árvores e dos sobrantes?

Estas acções são da responsabilidade dos proprietários e constituem uma obrigação legal. Esteja atento à legislação em vigor e potenciais apoios e informe-se antes de proceder a qualquer acção de exploração florestal. Consulte a sua organização de produtores florestais ou o gabinete técnico florestal do seu município.

A solução está na prevenção:

  • Árvores enfraquecidas favorecem a dispersão do nemátodo;
  • Evite o transporte de material lenhoso no período de Abril a Outubro pois pode estar a espalhar a doença;
  • Não conserve lenha de um ano para o outro;
  • Mantenha o seu pinhal saudável;
  • A doença do nemátodo da madeira do pinheiro leva sempre à morte das árvores, no entanto não se transmite directamente de árvore a árvore, necessita do insecto-vector;
  • Tenha em atenção pois os sintomas associados a esta doença são comuns a outras pragas e doenças e o seu diagnóstico só é possível através de análise laboratorial.

O que precisa de saber

Aplicação do Decreto-Lei n.º 95/2011, de 8 de Agosto, alterado e republicado pelo Dec.-Lei n.º 123/2015, de 3 de Julho, com a leitura que lhe é dada pela Declaração de Rectificação n.º 38/2016, de 1 de Setembro; Manifesto de Abata, Desramação e Circulação de madeira de Coníferas; Inscrição Obrigatória no Registo Oficial.

O que significa árvores com sintomas de declínio?

Coníferas hospedeiras que por acção de agentes bióticos e/ou abióticos se encontram enfraquecidas, com a copa seca ou a secar total ou parcialmente, apresentam agulhas descoloradas, estejam tombadas ou tenham sido afectadas por tempestades e por incêndios (queimadas ou parcialmente queimadas).

O que são coníferas hospedeiras?

São coníferas dos géneros Abies Mill. (abetos), Cedrus Trew (cedros), Larix Mill. (larix), Picea A. Dietr. (piceas ou espruces), Pinus L. (pinheiros), Pseudotsuga Carr. (falsas -tsugas), e Tsuga Carr. (tsugas), com excepção dos seus frutos e sementes.

O que são locais de intervenção (LI)?

São as unidades administrativas territoriais listadas e publicitadas no sítio na Internet do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, bem como por editais afixados nas respectivas juntas de freguesia, onde é conhecida a presença do NMP ou em que seja reconhecido, pelo ICNF, o risco do seu estabelecimento e dispersão. Pode consultar a lista das freguesias classificadas como local de intervenção aqui.

O que é Zona de Restrição (ZR)?

É a área correspondente à totalidade do território continental, incluindo a zona tampão e a ilha da Madeira.

O que é Restante Zona de Restrição (RZR)?

É a área correspondente à totalidade do território continental, excepto zona tampão e LI.

O que é Zona Tampão (ZT)?

É a área do território continental com uma largura de aproximadamente 20 km adjacente à fronteira com Espanha, integrada pelas freguesias listadas e publicitadas no sítio na Internet do ICNF, I. P. Pode consultar a lista das freguesias classificadas como Zona Tampão aqui.

O que é Zona Isenta (ZI)?

É a área correspondente ao arquipélago dos Açores, à ilha de Porto Santo, ilhas Desertas e Selvagens.

O que é considerado um parque de madeira?

No âmbito do decreto-lei n.º 123/2015, de 3 de Julho, considera-se um parque de madeira qualquer local, coberto ou a céu aberto, de armazenamento ou parqueamento de madeira de coníferas, independentemente da sua duração.

O que é considerado um consumidor final?

Consideram-se consumidores finais todos aqueles que adquirem um produto para sua utilização/consumo, sem que esta utilização/consumo implique nova transformação do produto ou desde que o produto em questão não seja novamente colocado no mercado. Um consumidor final será, assim, o último comprador desse mesmo produto.

O que é considerado um local de queima industrial?

No âmbito do decreto-lei n.º 123/2015, de 3 de Julho, considera-se um local de queima industrial, a unidade industrial que proceda à queima da madeira de coníferas, cuja actividade económica se relacione com a transformação directa desta num produto final.

O que são destinos que garantam o processamento do material lenhoso?

São destinos que garantam que a madeira de coníferas é sujeita a processamentos que utilizem cola, calor ou pressão ou a combinação destes, que garanta a isenção de nemátodos vivos (ex: MDFs, Pellets, Briquets, contraplacados, aglomerados, OSB).

O que são destinos que garantam a transformação do material lenhoso?

São destinos que garantam o descasque e serragem, ou esquadriamento, ou aplainamento da madeira de coníferas, de forma a garantir que não seja mantida a superfície natural arredondada da madeira, ou estilhagem.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Governo reúne Comissão da Seca sobre gestão da água no Algarve

Partilhar              A Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca (CPPMAES), presidida pela …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.