Início / Agenda / ICNF convida a libertar aves na natureza

ICNF convida a libertar aves na natureza

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A libertação de aves no seu habitat natural é uma das actividades previstas no programa do Dia do Parque Natural do Tejo Internacional, promovido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e pela Quercus. A 20 de Agosto celebra-se o aniversário do Parque com um dia dedicado à conservação e à vida selvagem.

A classificação do Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI) como área protegida resulta essencialmente da riqueza natural que alberga, com biótopos característicos das paisagens meridionais, como o montado de sobro e de azinho e estepes cerealíferas, bem como espécies da flora e da fauna de inegável interesse, segundo o ICNF. O instituto destaca igualmente, pelo elevado valor, as linhas de água com comunidades vegetais ripícolas associadas e, no domínio da avifauna, espécies estritamente protegidas por convenções internacionais.

O Parque Natural do Tejo Internacional alberga um importante cortejo faunístico, incluindo mais de duzentas espécies de vertebrados. Dentre estas, onze são consideradas “em perigo”, treze “vulneráveis” e outras tantas “raras”. Entre os mamíferos, conta-se a presença da lontra Lutra lutra, do gato-bravo Felis silvestris e do toirão Mustela putoris. Numerosas aves vivem também no Parque, com destaque para a ocorrência de espécies com estatuto de “em perigo” como a cegonha-preta Ciconia nigra, o abutre-preto Aegypius monachus e a águia-real Aquila chrysaetos. Podem ainda observar-se peixes com o estatuto de “raro” como a boga-de-boca-arqueada Chondrostoma lemmingi e com o estatuto de “comercialmente ameaçado” como a enguia Anguilla anguilla.

Neste território foram identificados até à data 610 taxa distribuídos por 92 famílias botânicas, salientando-se desta fitodiversidade as 51 espécies endémicas detectadas. Merecem particular atenção Anthyllis lusitanica e Campanula transtagana cuja área de distribuição se restringe ao centro e sul de Portugal Continental; Anthyllis lotoides, bocas-de-lobo Antirrhinum graniticum, labrêsto-de-flor-amarela Brassica barrelieri, Bufonia macropetala, lavapé Centaurea ornata, giesta-branca Cytisus multiflorus, giesta-amarela Cytisus striatus, cravinas-bravas Dianthus lusitanus, salva-brava Phlomis lychnitis, Silene scabriflora, e rosmaninho Lavandula stoechas subsp. luisieri.

O programa do Dia Aberto do Parque encontra-se aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Animais de companhia passam para a tutela do Ministério do Ambiente. Ministra da Agricultura quer DGAV com papel reforçado

Partilhar            Está a ser “trabalhada uma proposta para que os animais de companhia passem a estar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.