Início / Empresas / Iberdrola coloca em funcionamento a Algeruz II a sua primeira central fotovoltaica em Portugal

Iberdrola coloca em funcionamento a Algeruz II a sua primeira central fotovoltaica em Portugal

A Iberdrola continua a avançar com a sua estratégia de investimento na Península Ibérica, com a entrada em funcionamento da central fotovoltaica Algeruz II, a primeira instalação deste tipo do grupo em Portugal.

A central tem mais de 50.500 módulos fotovoltaicos fixos e monofásicos, que irão gerar energia limpa suficiente para abastecer mais de 11.000 casas e evitar a emissão de 13.400 toneladas de CO2 para a atmosfera por ano, refere uma nota de imprensa da empresa.

O projecto, que envolveu um investimento de 17,8 milhões de euros, gerou mais de 200 postos de trabalho durante os períodos de pico de construção, todos eles preenchidos por colaboradores locais.

A Iberdrola foi a maior adjudicatária, em número de lotes, no leilão de 2019 em Portugal, com um total de 7 projectos fotovoltaicos (7 lotes), três dos quais em construção e com previsão de início de operação comercial durante este ano. Trata-se das centrais fotovoltaicas Conde (13,51 MW), Alcochete I (32,89 MW) e Alcochete II (12,72 MW), também localizadas no distrito de Setúbal. Os projectos Alcochete I e II terão tecnologia bifacial, que maximiza a produção de energia e reduz o custo médio da electricidade em 16%.

Além disso, os projectos Montechoro I (11,57 MW), Montechoro II (24,95 MW) e Carregado (64,1 MW), adjudicados no mesmo leilão, estão em processo de obtenção da licença de construção e estão previstos para 2023, altura em que a capacidade fotovoltaica da Iberdrola em Portugal totalizará 187 MW.

Compromisso renovável com Portugal

A Iberdrola “tem liderado a transição energética durante duas décadas, actuando como uma força motriz fundamental na transformação do tecido industrial e na recuperação verde da economia e do emprego”, acrescenta a mesma nota. Para o efeito, a empresa lançou um plano histórico de investimento de 150 mil milhões de euros durante a próxima década – 75 mil milhões de euros até 2025 – através do qual pretende triplicar a capacidade renovável, duplicar os activos da rede e comprometer-se com um consumo limpo e sustentável.

“No contexto actual, acelerar a transição energética é essencial para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis e combater os efeitos das alterações climáticas”, frisa a empresa.

Em Portugal, a Iberdrola serve uma importante carteira comercial de clientes, tem 92 MW de energia eólica em funcionamento e colocou em funcionamento as centrais hidroeléctricas de Daivões (central convencional) e Gouvães (central de bombagem), que fazem parte da gigabateria do rio Támega – uma das maiores instalações de armazenamento de energia na Europa, com 1.158 MW de capacidade – e que exigiu um investimento de mais de 1,5 mil milhões de euros.

A estas, soma-se a futura construção de um grande parque eólico com uma capacidade total prevista de 400 MW, ligado à gigabateria, que transformará o complexo numa central de geração híbrida.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Pombal aposta em rega inteligente e 5G da NOS para poupar até 30% de água

Partilhar              A Câmara Municipal de Pombal vai instalar um sistema de rega inteligente 5G da NOS, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.