Início / Mar / Construção Naval / Grupo ETE reforça aposta na operação portuária em Cabo Verde

Grupo ETE reforça aposta na operação portuária em Cabo Verde

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Grupo ETE marca este ano presença na Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), a decorrer na cidade do Mindelo, onde acaba de anunciar a sua decisão de reforçar significativamente a presença no país e os novos investimentos que acaba de concretizar.

Este player português do sector marítimo e portuário está interessado e decidido a apresentar uma proposta para a operação portuária, constituiu uma sociedade armadora de direito cabo-verdiano – a única no país habilitada a efectuar transporte marítimo internacional — e está a ultimar o processo de passagem de um dos seus navios para bandeira de Cabo Verde, além de continuar empenhado em concorrer à concessão da Cabnave.

Fundado em 1936 e hoje o maior grupo português a operar em Portugal no sector da economia do mar, o Grupo ETE já serve Cabo Verde há mais de 29 anos através do seu armador Transinsular.

Luís Mira de Oliveira, administrador do Grupo ETE, com o pelouro de Cabo Verde revela: “acabei de sair de uma reunião com os responsáveis do Governo, na qual reiterei que estamos empenhados em apostar e investir no país, dando o nosso contributo para a afirmação de Cabo Verde como o hub para a África Ocidental. Por isso, apresentei a nossa disponibilidade para construir em conjunto soluções que congregam uma visão integrada e estruturante da operação portuária, do transporte marítimo inter-ilhas e regional, da logística e da construção naval”.

No que à operação portuária diz respeito, o Grupo ETE está a concluir a constituição da empresa ETE Cabo Verde – Operações Portuárias, visando apresentar uma proposta para a gestão dos Portos da Praia, Mindelo, Palmeira e Sal Rei — seja em regime de concorrência, consórcio ou com base em outro modelo a definir pelo Governo de Cabo Verde —, que seja vantajosa para ambas as partes.

Nova sociedade armadora

Entretanto, o Grupo ETE acabou de constituir a Transinsular Cabo Verde – Transportes Marítimos Insulares de Cabo Verde, uma sociedade armadora de direito cabo-verdiano. Actualmente, esta é a única no país habilitada e a cumprir todos os requisitos para efectuar o transporte marítimo internacional, ligação aos mercados atlânticos de proximidade e cabotagem.

Adicionalmente, está a ultimar o processo de passagem de um dos seus navios (Ponta do Sol) para este novo armador, o qual será operado sob bandeira de Cabo Verde. Este é um navio certificado e classificado com standards internacionais e que cumpre todos os requisitos para navegar em águas internacionais, permitindo ao Grupo ETE oferecer um serviço pioneiro no mercado, a partir de Cabo Verde para o Mundo.

Aquele administrador do Grupo ETE, explica que “esta operação é relevante para o desenvolvimento da nossa actividade no mercado de Cabo Verde e foi possível porque temos navios próprios, o que implica capacidade de investimento e não depender de navios afretados. Tomámos esta decisão porque acreditamos no mercado de Cabo Verde e olhamos o futuro com confiança”.

Transferir know-how para a Cabnave

O Grupo ETE, fruto dos seus mais de 80 anos de experiência na economia do mar e do know-how técnico que detém nos seus dois estaleiros navais localizados no Porto de Lisboa, os quais desenvolvem projectos nacionais e internacionais, está disponível para transferir para a Cabnave o seu conhecimento neste sector e assim contribuir para o desenvolvimento da empresa.

Luís Mira de Oliveira, esclarece que “também já manifestámos aos Srs. Ministros das Finanças e da Economia que, continuamos totalmente interessados e empenhados na concessão da Cabnave, – ou em outro modelo de parceria público-privada que vier a ser decidida pelo Governo —, um sector fundamental de suporte à afirmação de Cabo Verde na região Atlântica”.

Serviço África Expresso

Por outro lado, o Grupo ETE, via o seu armador Transinsular, oferece, desde 1 de Outubro de 2017, o serviço África Expresso, actualmente o mais competitivo do mercado sendo o único serviço regular directo (sem transbordo) com frequência a cada 10 dias, desde Portugal (Leixões e Lisboa) /Canárias para a Praia, Mindelo, Sal e Boavista, com o menor transit-time do mercado, fazendo Portugal/Cabo Verde em 5 dias.

O serviço África Expresso é ainda a solução de exportação marítima mais rápida para produtos oriundos de Espanha para Cabo Verde – seja da Galiza via Leixões, ou de outras origens via Las Palmas —, é o único a oferecer ligação regular directa entre Portugal, Sal e Boavista, tem agências e operadores logísticos locais próprios – Praia, Mindelo, Sal e Boavista — e opera este serviço com navios próprios, incluindo equipamentos e tripulações.

Miguel Paiva Gomes, CEO da Transinsular, destaca que “o serviço África Expresso optimiza tanto as soluções de transporte de mercadorias para Cabo Verde originárias de Portugal e Espanha, como para a Guiné-Bissau, Mauritânia e Canárias. Para além disso, consolida a posição da Transinsular como parceiro preferencial na exportação de peixe para a Europa, garantindo ainda a ligação entre aqueles mercados e o Norte da Europa, Báltico, Mediterrâneo e Ásia, entre outros“.

Transporte marítimo de carga inter-ilhas

O Grupo ETE quer ainda apresentar uma proposta para o transporte marítimo de carga inter-ilhas que entregue aos agentes económicos, competitividade, regularidade, flexibilidade e confiabilidade, e seja promotora de adequadas soluções logísticas alinhadas com a intermodalidade e capazes de contribuir para o desenvolvimento das economias locais.

Nesta área, o Grupo ETE, via o seu armador Transinsular, tem uma larga experiência no transporte marítimo de carga em mercados insulares – Açores, Madeira e Canárias.

Luís Mira de Oliveira declara querer “firmar um compromisso de longo prazo para a prestação do serviço inter-ilhas. Estamos convictos que o serviço Africa Expresso, prestado pelo nosso armador Transinsular, tem a mais-valia de poder potenciar o inter-ilhas e, consequentemente, impulsionar as trocas comerciais entre as diversas ilhas, beneficiando de soluções economicamente-eficientes, à medida das necessidades de cada cliente, de cada mercado e das suas comunidades”.

E acrescenta que “apesar do core da nossa operação de transporte marítimo ser a Carga, estamos disponíveis para, se necessário, construir uma solução em parceria com outros players. Em Portugal, já participamos em soluções de transporte de passageiros, de que é exemplo a gestão e operação do ferry em Aveiro.”

Por fim, Luís Mira de Oliveira, salienta “que Cabo Verde é um mercado onde podemos acrescentar valor e onde, simultaneamente, o Grupo ETE pode prosseguir o crescimento natural das suas operações core (portuário, transporte marítimo, logística e construção e reparação naval). Adicionalmente, o facto de partilharmos a mesma língua, contribui para construir relações duradoras e de confiança”.

O Grupo ETE, de capital português e fundado em 1936, integra seis das principais áreas de actividade da economia do mar – operação portuária, transporte fluvial, transporte marítimo, agentes de navegação, operação logística e engenharia e reparação naval – e engloba mais de 40 empresas que se complementam entre si.

A sua vasta experiência na economia do mar tornou o Grupo ETE numa referência a nível nacional e internacional, estando presente em 5 países (Cabo-Verde, Colômbia, Moçambique, Portugal e Uruguai) e 3 continentes.

É o maior operador português de terminais portuários, com um total de 6 concessionados. Estes totalizam mais de 4 km de cais, onde movimenta todo o tipo de cargas – contentores, carga geral, granéis sólidos e líquidos -, utilizando gruas e equipamento portuário de última geração. Está na vanguarda das empresas que, em Portugal, movimentam granéis sólidos e líquidos, com mais de 16,4 milhões de toneladas anuais.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

PSD pede à ministra da Agricultura que esclareça atribuição de terrenos agrícolas em Idanha-a-Nova

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) quer saber o que se passou com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.