Início / Agricultura / Fungicidas com famoxadona proibidos a partir de 17 de Setembro de 2022

Fungicidas com famoxadona proibidos a partir de 17 de Setembro de 2022

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Comissão Europeia não renovou a aprovação da substância activa famoxadona utilizada em fungicidas para proteger culturas agrícolas como as frutíferas, tomate, batata, alface e vinha. Os Estados-membros devem retirar as autorizações de produtos fitofarmacêuticos que contenham famoxadona como substância activa até 16 de Março de 2022. Qualquer prazo de tolerância concedido pelos Estados-membros deve terminar em 16 de Setembro de 2022.

A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária já anunciou que vai utilizar o prazo de tolerância, pelo que “irá proceder ao cancelamento das autorizações de venda de produtos fitofarmacêuticos contendo famoxadona, não podendo estes ser utilizados após a data de 16 de Setembro de 2022″.

Segundo o Ofício Circular n.º 9/2021 da DGAV, na base da decisão comunitária foi comunicado que “não é de excluir o elevado potencial para todas as utilizações representativas avaliadas excederem o nível aceitável de exposição do operador (NAEO) para os trabalhadores durante a colheita manual, mesmo com a utilização de equipamento de protecção individual (EPI)”.

Foi ainda concluído que existe um risco elevado a longo prazo para os mamíferos e um risco elevado para os organismos aquáticos decorrente da utilização da famoxadona.

“Além disso, as informações disponíveis não foram consideradas suficientes para poder concluir quanto aos riscos potenciais derivados da exposição à substância activa, a longo prazo, para as aves”, acrescenta a DGAV.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Petição contra a alteração da idade para assistir ou participar em touradas está a chegar aos 18 mil subscritores

Partilhar              O Conselho de Ministros aprovou no dia 14 de Outubro o decreto-lei que altera a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.