Início / Agricultura / Famalicão: Continental começa a fabricar pneus radiais agrícolas em 2017

Famalicão: Continental começa a fabricar pneus radiais agrícolas em 2017

O grupo alemão Continental escolheu Vila Nova de Famalicão para investir 50 milhões de euros numa nova unidade de produção de pneus radiais agrícolas que irá gerar mais de uma centena de empregos. E fê-lo por cinco razões que o seu administrador, Nikolai Setzer, ontem, 30 de Junho, no lançamento do projecto LousAgro, elencou: qualificação dos recursos humanos, custos, qualidade, infraestruturas e localização e o apoio do poder nacional e local (Governo e Câmara Municipal).

“A capacidade instalada em Vila Nova de Famalicão foi decisiva para que a Continental Mabor de Lousado tenha sido a escolhida, entre as vinte unidades que o nosso grupo detém a nível mundial, para desenvolver esta nova área de negócio”, disse o gestor responsável pela divisão de pneus do grupo, por ocasião da assinatura do contrato de investimento, que decorreu na Continental Mabor. O evento contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro da Economia, do secretário de Estado da Indústria, do presidente da Aicep, para além do presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha.

A Continental pretende criar um portfólio completo de pneus para tractores agrícolas e máquinas de colheita existentes no mercado, trabalhando em conjunto com os maiores fabricantes de veículos. A gama incluirá pneus radiais e pneus de lonas cruzadas em 150 tamanhos. Turbo Oficina
A Continental está já a produzir pneus de lonas cruzadas para o setor agrícola em Port Elizabeth, na África do Sul, e em Petaling Jaya, Malásia.

Arranque em 2017

A nova unidade, considerada de “última geração para o exigente sector agrícola”, está a ser construída no complexo industrial da Continental Mabor e permitirá a criação de 125 postos de trabalho directos, 15 dos quais qualificados. O arranque da produção está previsto para 2017.

António Costa sublinhou que este projecto “é um bom exemplo de investimento directo estrangeiro, com capacidade de dinamização da economia local e nacional, e um sinal de grande confiança de um investidor exigente e com anos de experiência acumulada no nosso País”.

E não poupou nas palavras para elogiar a Continental Mabor: “a visão de ambição com que a Continental Mabor encara o futuro é inspiradora para o País. Com este projecto a empresa estima atingir um valor de exportações anual de 855 milhões de euros, o que a manterá como uma das principais exportadoras nacionais”.

Para além deste investimento na fábrica de Lousado, a Continental prepara-se também para investir 2,5 milhões de euros num novo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento com o objectivo de obter um crescimento mais rápido no portfólio de pneus agrícolas, em colaboração estreita com o centro que a multinacional tem na Alemanha.

O projeto LousAgro tem assim, nas palavras do presidente do conselho de administração da Continental Mabor, “um forte conteúdo de inovação produtiva, para além de incluir uma componente importante de formação profissional”. Pedro Carreira classificou este investimento como “crucial para a sustentabilidade da empresa, pois irá dotá-la de uma unidade de negócios completamente nova”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, reiterou a importância da captação de investimento na dinamização e no crescimento da economia. “O novo projecto internacional da Continental será desenvolvido integralmente no nosso concelho. É mais um grande investimento que vai gerar novos empregos e reforçar a performance exportadora de Vila Nova de Famalicão”, argumentou.

Presente em Famalicão desde 1990, onde desde então já investiu 650 milhões de euros, a Continental Mabor é o principal motor da economia daquele município, ocupando o primeiro lugar no ranking das exportações. No final de 2015 a empresa teve um volume de vendas de 820,56 milhões de euros.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 more

Verifique também

Produtores de leite da Póvoa de Varzim em risco de falência pedem para serem pagos ao preço mínimo de 38 cêntimos/litro

Partilhar             more  Caso não exista um aumento do preço do leite a breve prazo, toda a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.