Início / Agricultura / Falta mão-de-obra para limpeza de terrenos rurais que tem de estar feita até 30 de Abril

Falta mão-de-obra para limpeza de terrenos rurais que tem de estar feita até 30 de Abril

Os proprietários estão com dificuldades em encontrar mão-de-obra disponível para a limpeza dos seus terrenos e, com o aumento da procura, também o custo desta manutenção obrigatória por lei subiu cerca de 14%, face ao ano passado, revela a App de serviços Fixando, numa análise realizada a cerca de 326 pedidos registados desde o início do ano. O custo deste serviço passou de 348€, em 2022, para 395€, em 2023.

Relembre-se que os proprietários de terrenos rurais, florestais ou agrícolas, têm até 30 de Abril de 2023 para proceder à sua limpeza. Se não o fizerem, podem pagar coimas que podem chegar até aos 5.000 euros para pessoas singulares e até 25.000 euros para pessoas colectiva.

Segundo a análise da Fixando, os pedidos por serviços de limpeza de terrenos e matas cresceram 101% entre 1 de Janeiro e 10 de Abril, face ao mesmo período em 2022, o que tem complicado o desequilíbrio já existente em anos anteriores entre a oferta e a procura por estes profissionais.

Este ano, cerca de 41% dos proprietários não está a conseguir contratar profissionais para limpeza de terrenos, quando no ano passado esse número era de cerca de 29%. A Fixando explica que, apesar do online estar a atrair cada vez mais profissionais para anunciar os seus serviços e encontrar clientes, ainda há muitas pessoas que não sabem a quem recorrer e têm dificuldade em obter resposta a estes pedidos.

“Entre 2022 e 2023, o número de especialistas inscritos para limpeza de terrenos na Fixando subiu 15%, no entanto, ainda são insuficientes para dar resposta ao aumento de pedidos. De momento, apenas 8% tem disponibilidade para aceitar novos clientes”, explica Alice Nunes, directora de novos negócios da Fixando.

Consequência do desfasamento entre a oferta e procura, é a subida do valor que os proprietários portugueses têm de gastar, em média, nesta manutenção, que passou de 348€, em 2022, para 395€, em 2023.

“Para além da oferta ser curta para os clientes que procuram estes serviços, os especialistas nestes trabalhos também tiveram de adaptar os preços devido ao aumento de custos, nomeadamente dos combustíveis utilizados para a maquinaria de corte e limpeza. A melhor forma de evitar preços mais elevados e pouca disponibilidade de profissionais, é antecipar a manutenção das suas propriedades”, alerta Alice Nunes.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

87% dos portugueses defendem expansão do regadio a mais zonas do Alentejo

Partilhar              Os portugueses consideram que é preciso mais investimento em regadio, num sector agrícola moderno e …

Um comentário

  1. Para além da falta de mão de obra os proprietários florestais não tem dinheiro para aguentar tais encargos durante 30/50anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.