Início / Agricultura / Eurodeputada socialista: “agricultores biológicos terão de receber compensação equitativa pelo seu trabalho” mas é necessário “cuidar que exista acesso inclusivo à alimentação”

Eurodeputada socialista: “agricultores biológicos terão de receber compensação equitativa pelo seu trabalho” mas é necessário “cuidar que exista acesso inclusivo à alimentação”

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Plano de Acção para o desenvolvimento da produção biológica foi apresentado esta semana na Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu, pelo Comissário da Agricultura, Janusz Wojciechowski. Para a eurodeputada socialista Isabel Estrada Carvalhais, Portugal e os Estados-membros devem convergir nos objectivos, sendo que a agricultura biológica pode desempenhar um papel dinamizador de práticas agrícolas mais sustentáveis.

Na sua intervenção, Isabel Carvalhais destacou como positivo “o reconhecimento da agricultura biológica como um componente importante do percurso da União Europeia rumo a sistemas alimentares mais sustentáveis”. A deputada considerou ainda que este plano não poderá deixar de “encontrar eco nas diferentes estratégias nacionais” de cada Estado-membro.

“Os agricultores biológicos terão de receber uma compensação equitativa pelo seu trabalho, mais exigente, mas é necessário também cuidar que exista um acesso inclusivo à alimentação”

O objectivo geral deste plano que a Comissão Europeia lançou no dia 25 de Março, é o de estimular o consumo e a produção de produtos biológicos, conjuntamente, de forma a que, até 2030, 25% dos terrenos agrícolas na União Europeia estejam dedicados ao modo de produção biológico, bem como impulsionar substancialmente a aquicultura biológica.

Anunciado na Estratégia do Prado ao Prato e na Estratégia da Biodiversidade, este plano divide-se em três eixos de acção interligados, que reflectem a estrutura da cadeia de abastecimento alimentar e as ambições dos objectivos de sustentabilidade do Pacto Ecológico Europeu.

Isabel Carvalhais destacou que “os agricultores biológicos terão de receber uma compensação equitativa pelo seu trabalho, mais exigente, mas é necessário também cuidar que exista um acesso inclusivo à alimentação”. Nesse sentido, a deputada salientou ainda a “importância da inovação no encontrar de soluções e práticas mais eficazes do ponto de vista produtivo e ambiental, que permitam responder a estes múltiplos desafios podendo beneficiar simultaneamente a transição de outros sistemas de produção para práticas mais sustentáveis”.

A área em modo de produção biológico aumentou quase 66% nos últimos nos últimos 10 anos na União Europeia, sendo responsável por 8,5% do total da superfície agrícola utilizada (SAU). Em 2019 em Portugal, 8,2% da SAU era consagrada a este método de produção.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Mês da Cultura Tauromáquica em Azambuja. Conheça as actividades de 8 e 9 de Maio

Partilhar            O Município de Azambuja tem em curso o “Mês da Cultura Tauromáquica”, em formato online. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.