Início / Featured / Estudo sobre impacto da pesca na sustentabilidade de espécies de tubarões conta com investigador do Politécnico de Leiria

Estudo sobre impacto da pesca na sustentabilidade de espécies de tubarões conta com investigador do Politécnico de Leiria

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O investigador André Afonso, do MARE — Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria, integra a equipa de especialistas que acaba de publicar na secção “Matters Arising” da revista Nature, uma das mais importantes revistas científicas do Mundo, dois artigos sobre o impacto da pesca na sustentabilidade de diversas espécies de tubarões.

As publicações surgem no seguimento de um outro artigo publicado em 2019, tendo a equipa de especialistas sido desafiada por dois conjuntos de autores a testar e validar alguns dos pressupostos do trabalho original. Esta nova investigação foi conduzida com sucesso ao longo do último ano e as duas respostas aos questionamentos, que levaram a um maior desenvolvimento do trabalho original, foram agora publicadas na revista Nature.

O trabalho original, desenvolvido em 2019, concluiu que cerca de um quarto dos habitats dos tubarões estavam em zonas de pesca activa, o que ameaçava grandemente os tubarões, cujas populações têm vindo a declinar em todo o Mundo. Essa investigação recorreu a métodos de telemetria via satélite, e estimou a sobreposição espacial dessas espécies com a distribuição e tipo de actividade pesqueira, a qual foi estimada através dos dados de AIS – Automatic Identification System, obrigatoriamente presente nessas embarcações para geolocalização das mesmas.

Susceptibilidade dos tubarões à pesca

As principais questões levantadas pelos autores que originaram estes dois novos artigos prenderam-se, em primeiro lugar, com o facto de a susceptibilidade dos tubarões à pesca não poder ser inferida somente pela sobreposição espacial entre a distribuição de tubarões e a distribuição do esforço de pesca, e em segundo lugar pelo facto de os algoritmos informáticos que processam os dados de AIS fornecidos pelas embarcações e que identificam a actividade pesqueira não apresentarem um nível de precisão adequada, levando a que a actividade pesqueira seja erradamente classificada em algumas situações.

Para atender a estas questões os investigadores envolvidos no estudo realizaram diversas análises, tendo concluído que se verifica uma correspondência directa significativa entre a captura por unidade de esforço de tubarões e as áreas com maior sobreposição espacial entre tubarões e esforço de pesca, indicando que a sobreposição espacial entre tubarões e actividade pesqueira é um indicador fiável de susceptibilidade à pesca.

A reanálise dos dados utilizando dados de AIS mais recentes, disponibilizados após a publicação do trabalho original, resultou numa diminuição do tamanho das áreas de refúgio da pesca relativamente à estimativa inicial, indicando que os valores calculados no trabalho original estavam sobrestimados. A utilização desses novos dados de AIS não alterou as estimativas iniciais de sobreposição espacial mensal (24%), e as simulações baseadas na eliminação aleatória de dados e na reclassificação aleatória da actividade pesqueira não alteraram os padrões descritos de sobreposição e susceptibilidade de tubarões relativamente à actividade pesqueira.

“A publicação destes estudos revela-se de extrema importância, dado que a análise foi conduzida numa escala global e utilizou tecnologia de ponta que permitiu monitorizar simultaneamente os movimentos e a distribuição de várias espécies de tubarão e das embarcações de pesca que operam em águas internacionais. O acompanhamento da actividade piscatória nesses ambientes remotos é extremamente insipiente, pelo que os resultados aqui apresentados fornecem-nos um panorama inédito e real sobre o actual nível de exposição dos tubarões oceânicos à pressão humana, contribuindo assim para o desenvolvimento de medidas de gestão que assegurem a conservação destes importantes predadores marinhos”, afirma o investigador André Afonso.

Os artigos estão disponíveis aqui e aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

PSD recomenda ao Governo criação de sistema de videovigilância na floresta em todos os distritos de Portugal continental

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) diz que a existência de sistemas de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.