Início / Agricultura / Estudo: courgette amarela ataca as células que provocam leucemia

Estudo: courgette amarela ataca as células que provocam leucemia

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A courgette amarela pode vir a ser usada no combate à leucemia. Investigadores espanhóis descobriram que certas vitaminas e pigmentos daquele vegetal travam o crescimento do cancro em linhas celulares de leucemia humana. Ao mesmo tempo, em ensaios com um organismo modelo, uma mosca Drosophila melanogaster, a courgette revelou o seu potencial antitóxico para o ADN, que o protege face ao dano oxidativo.

O estudo foi realizado por investigadores do Laboratório de Genotoxicologia da Universidade de Córdoba e da área de Genómica e Biotecnologia do Centro IFAPA La Mojonera, em Almería. Os compostos foram descobertos na pele e na polpa das courgettes amarelas.

Os cientistas analisaram os níveis de quatro compostos presentes no vegetal: luteína, zeaxantina, betacaroteno e vitamina C. Com todos eles realizaram ensaios in vivo para avaliar os possíveis efeitos antitóxicos que exercem aquelas substâncias sobre os genes e também ensaios in vitro com o objectivo de determinar a sua influência na destruição e morte celular.

O estudo

Os resultados do estudo, intitulado “Role of Zucchini and Its Distinctive Components in the Modulation of Degenerative Processes: Genotoxicity, Anti-Genotoxicity, Cytotoxicity and Apoptotic Effects”, foram publicados na revista Nutrients, apontam ainda que esta variedade de courgette reúne um maior potencial anti-tumoral em comparação com as courgettes verde claro ou brancas.

Pode consultar o estudo completo aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Carne Ramo Grande dos Açores reconhecida como Denominação de Origem a nível nacional

Partilhar            A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas informa que foi conferido à Carne Ramo Grande …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.