Início / Agricultura / Estado pode vir a usar resíduos florestais para produzir biocombustíveis

Estado pode vir a usar resíduos florestais para produzir biocombustíveis

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Governo está a estudar a possibilidade de usar resíduos florestais para produzir biocombustíveis em biorefinarias de pequena escala. O anúncio foi feito ontem, 6 de Dezembro, pelo ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Florestas, Luís Capoulas Santos.

Capoulas Santos, que falava durante um debate parlamentar sobre a reforma florestal, disse aos deputados que o objectivo é “usar os desperdícios das florestas não só para produzir energia”, como acontece nas centrais de biomassa, mas também biodiesel.

O ministro adiantou que esta possibilidade está ainda a ser estudada, em termos de viabilidade económica, e que os materiais que poderão ser usados nesta utilização serão devidamente identificados. “Até agora, os resíduos da floresta têm sido aproveitados sobretudo para centrais de biomassa com objectivo de produzir energia eléctrica, nós queremos ir um pouco mais longe”, disse Capoulas Santos à Lusa, adiantando que “há experiências em Portugal, com resultados interessantes”.

Produzir biodiesel

O objectivo é produzir biodiesel a partir de resíduos da floresta em unidades próprias, que poderão simultaneamente produzir electricidade”, acrescentou.

O Governo já encarregou o Laboratório Nacional de Engenharia Civil de “validar e confirmar a viabilidade técnica e económica desta possibilidade”, que Capoulas Santos espera que passe de “uma mera hipótese com possibilidade de sucesso a uma aplicação prática concreta”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Associação de Bebidas Espirituosas defende fim da proibição de venda de bebidas alcoólicas a partir das 20h00

Partilhar            A Anebe – Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas diz continuar “empenhada em contribuir …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.