Início / Agricultura / Estação de Avisos Agrícolas do Douro aconselha tratamento da vinha “o mais rapidamente possível” com fungicida contra o míldio

Estação de Avisos Agrícolas do Douro aconselha tratamento da vinha “o mais rapidamente possível” com fungicida contra o míldio

A Estação de Avisos Agrícolas do Douro – Peso da Régua aconselha que as vinhas que foram tratadas antes do dia 18 de Abril e ainda não renovaram o tratamento, devem fazer um tratamento o mais rapidamente possível, usando um fungicida que possua acção curativa e anti-esporolante, para combate ao míldio.

Explica a Circular de Avisos nº 05 (2021) que a precipitação registada nos últimos dias, proporcionaram novas condições para a ocorrência de infecções primárias de míldio. Dado que a previsão do IPMA aponta para a continuação de alguma instabilidade meteorológica nos próximos dias, aquela Estação aconselha ainda que as vinhas que foram tratadas de acordo com a recomendação da circular nº 4, devem repetir o tratamento antes do dia 4/5 de Maio, usando um fungicida que possua acção anti-esporolante.

Por outro lado, acrescenta que nas vinhas que foram oportunamente tratadas, poderá ser necessário renovar o tratamento, se se mantiver a instabilidade meteorológica. “Lembramos que nesta fase a persistência de acção dos tratamentos é de cerca de 8 a 10 dias”.

A Estação de Avisos Agrícolas do Douro realça ainda que “para contrariar o desenvolvimento das doenças e aumentar a eficácia dos tratamentos é muito importante que a despampa esteja realizada e que a vegetação seja correctamente orientada. Estas operações culturais promovem o arejamento do interior da sebe e facilitam a penetração da calda fungicida”.

Pode consultar a Circular de Avisos nº 05 (2021) completa aqui.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

AJAP promove acção de formação gratuita dedicada à temática da biomassa

Partilhar              A AJAP – Associação dos Jovens Agricultores de Portugal promove uma acção de formação gratuita …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.