Início / Agricultura / Empowering Women in Agrifood pela primeira vez em Portugal. Mulheres podem ganhar 10.000 euros para desenvolver negócios na área agroalimentar

Empowering Women in Agrifood pela primeira vez em Portugal. Mulheres podem ganhar 10.000 euros para desenvolver negócios na área agroalimentar

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O EWA – Empowering Women in Agrifood, um programa da principal iniciativa de inovação alimentar da União Europeia, EIT Food, destinado a apoiar as mulheres portuguesas e europeias a desenvolver os seus negócios de sucesso na área agroalimentar, realiza-se pela primeira vez em Portugal será.

Sendo a falta de representação feminina em cargos de chefia um problema que afecta o empreendedorismo, a BGI – Building Global Innovators, em parceria com o EIT – Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia, procura combater estes obstáculos e ajudar as mulheres portugueses a revelar os seus talentos, a desempenhar cargos de liderança e a responder aos desafios que o sector agroalimentar enfrenta em pleno século XXI.

O programa abriu candidaturas no início de Maio e irá decorrer até Novembro, incluindo sessões de formação online personalizadas e acesso a vários recursos para melhorar as competências das candidatas.

As beneficiárias terão a oportunidade de ganhar um prémio de até 10.000 euros. As candidaturas poderão ser submetidas até o dia 15 de Junho, na plataforma F6S.

Entraves

O sector alimentar e agrícola são tradicionalmente masculinos. De acordo com o EIT, apenas 28% das explorações agrícolas da União Europeia são geridas por mulheres. Muitas delas acreditam que a liderança e o empreendedorismo simplesmente não são para elas. Porém, as empreendedoras que querem desenvolver os seus próprios projectos enfrentam algumas barreiras: falta-lhes mentoria, não possuem a confiança dos seus colegas ou carecem de apoio económico.

Além disso, Begoña Pérez-Villarreal, directora do EIT Food no Sul da Europa, salienta que programas como estes são mais necessários do que nunca. “A situação pode piorar devido à pandemia do Covid-19. O encerramento das escolas e dos centros de idosos aumenta a demanda por cuidados às famílias e esse cuidado geralmente recai sobre as mulheres. Muitas delas podem ver as suas actividades e os projectos em risco devido a essa necessidade de cuidados”.

Tornar sistema alimentar mais resiliente a eventuais futuras pandemias

Também a project manager do EIT Food em Portugal, Cláudia Carocha, salienta a importância deste tipo de iniciativas. “Durante o estado de emergência, tivemos a oportunidade de ver um crescimento de soluções de entrega online alimentar e a adaptação de muitos pequenos e médios produtores a este novo canal de entregas. Este programa tem o objectivo tornar o sistema alimentar mais resiliente a eventuais futuras pandemias, através do desenvolvimento de soluções mais sustentáveis, mais saudáveis e que acima de tudo, coloquem o consumidor no centro da cadeia mantendo as melhores condições para os produtores”.

A divisão agroalimentar do EIT está consciente dos actuais desafios enfrentados pelo sector agroalimentar está determinada a suprimi-los, com a ajuda de vários parceiros em Portugal, em Espanha, na República Checa, na Roménia e na Turquia.

Um programa gratuito em 4 fases

O programa abriu candidaturas no início de Maio e irá decorrer até Novembro, incluindo sessões de formação online personalizadas e acesso a vários recursos para melhorar as competências das candidatas.

Tendo em conta as circunstâncias condicionadas pela pandemia do Covid-19, a maioria do programa irá desenrolar-se virtualmente. Serão realizadas sessões de mentoria por parte de profissionais da área, de experts de negócios e de empreendedores de sucesso.

Além disso, o programa dará às participantes acesso exclusivo a uma vasta rede de contactos, através da participação em eventos com stakeholders de alto nível, mentores, bem como outras empreendedoras do ecossistema da agroalimentação.

Finalmente, as candidatas poderão habilitar-se a ganhar um prémio até 10.000 euros, bem como acesso a investidores e a business angels. As candidaturas poderão ser submetidas até o dia 15 de Junho, na plataforma F6S, aqui.

Requisitos

Para ser elegível, as candidatas deverão cumprir os seguintes critérios:

● Ser mulher com uma ideia ou um negócio no sector agroalimentar;
● Ser residente em Portugal;
● Ter recebido menos de 30.000 euros em financiamento público e privado;
● Comprometer-se a participar no programa e respectivos eventos;
● No caso de possuir uma empresa, esta não deverá ter mais de 2 anos.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

GNR identifica dois homens por incêndio florestal em Cantanhede. Fogo provocado por rebarbadoras

Partilhar            A GNR — Guarda Nacional Republicana informa que o Comando Territorial de Coimbra, através do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.