Início / Agricultura / Eleições. BE quer obrigatoriedade de indicação dos custos de produção nos contratos de abastecimento de produtos agroalimentares

Eleições. BE quer obrigatoriedade de indicação dos custos de produção nos contratos de abastecimento de produtos agroalimentares

As eleições legislativas estão marcadas para 30 de Janeiro de 2022. O Bloco de Esquerda (BE) foi o primeiro partido com assento parlamentar a apresentar o seu programa eleitoral, seguindo-se o Chega. Fora da Assembleia da República, o Livre também já apresentou as suas propostas.

É nesta corrida ao voto que todos apresentam as suas propostas eleitorais. E o BE, no que diz respeito à promoção de “políticas de territorialização da produção e do consumo em proximidade”, defende a criação da obrigatoriedade de indicação dos custos de produção nos contratos de abastecimento de produtos agroalimentares e do compromisso de que o preço de venda lhe é sempre superior.

Explica o partido liderado por Catarina Martins que o “crescimento das grandes cadeias de transformação e distribuição de bens alimentares reduz a capacidade de negociação de preços pelos produtores. Em consequência, os agricultores vendem alimentos demasiado baratos e os consumidores compram demasiado caro. Por este caminho uniformiza-se a oferta de alimentos e promove-se a agricultura intensiva e de grande dimensão. Perdem-se as variedades tradicionais melhor adaptadas às condições locais e mais capazes de responder às alterações climáticas”.

“É necessário aumentar a heterogeneidade da paisagem agrícola e alimentar do território e garantir maior equilíbrio entre a produção e o consumo”, refere o programa eleitoral do Bloco de Esquerda, propondo a promoção da produção e do consumo de bens alimentares de proximidade e de agriculturas sustentáveis; a melhoria de condições dos mercados e feiras municipais, com áreas sob prioridade à produção local e sustentável; a promoção do acesso e democratização das organizações de produtores que auferem apoios públicos; e a definição de margens máximas de intermediação dos produtos agroalimentares; além da criação de uma rede nacional de hortas urbanas.

“Trabalho profissionalizado e com direitos”

Quanto à promoção do “trabalho profissionalizado e com direitos”, os bloquistas explicam no seu programa eleitoral que, “em Portugal, como em toda a Europa do Sul, o trabalho agrícola assalariado tem seguido um modelo assente em mão-de-obra de baixa qualificação, sobretudo imigrante, muitas vezes subcontratada ou sem vínculo formal, com reduzida remuneração, paga à tarefa. A falta de competências técnico-científicas nas explorações agroflorestais dificulta medidas de protecção ambiental e de saúde pública”.

Por isso propõem o reforço da actuação da Autoridade para as Condições do Trabalho no sector agroflorestal; a criação de um programa de integração e regularização de trabalhadores e trabalhadoras imigrantes que operam no sector agroflorestal; e a inclusão do trabalho familiar e das condições de trabalho assalariado como factores de ponderação na atribuição de apoios públicos, garantindo maior justiça e equidade social e territorial.

O programa eleitoral do BE defende ainda a criação de cursos profissionais em agroecologia, reconhecidos pelo Ministério da Agricultura, direccionados a pessoas com competências técnicas, produtoras e trabalhadoras agroflorestais, e a regulamentação da actividade das pessoas com formação em engenharia agrónoma e florestal que garantem apoio às diversas explorações agroflorestais e são responsáveis pelos respectivos planos de gestão.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

WWF: 17% da população europeia está em grande risco de escassez de água até 2050

Partilhar              Uma nova análise dos cenários climáticos e socioeconómicos do Water Risk Filter da WWF — …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.