Início / Empresas / Electricidade renovável aumenta nas Regiões Autónomas dos Açores e Madeira

Electricidade renovável aumenta nas Regiões Autónomas dos Açores e Madeira

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A APREN — Associação de Energias Renováveis revela que no primeiro semestre de 2018, a produção de electricidade de origem energia renovável aumentou em ambas as Regiões Autónomas, com um aumento de 37,3% para 41,3% na região dos Açores, e com um aumento de 33,2% para 38,6% na região da Madeira.

Em dados concretos, relativamente à Região Autónoma da Madeira, as fontes de energias renováveis representaram 38,6 % (161 GWh) e as fontes fósseis 61,4 % (258 GWh), enquanto no período homólogo do ano passado as tecnologias fósseis contribuíram com 66,8 % (276 GWh) e as renováveis 33,2 % (137 GWh).

Região Autónoma dos Açores

Na Região Autónoma dos Açores os dados foram igualmente positivos. No primeiro semestre de 2017, o mix eléctrico foi marcado por uma predominância das fontes fósseis (62,7 %, o que equivale a 241 GWh), e por sua vez, as renováveis contribuíram com 37,3 % da produção eléctrico (144 GWh).

Por sua vez, no primeiro semestre de 2018, apesar de existir uma predominância das fontes fósseis (58,7 %, 224 GWh), a melhoria foi significativa, sendo que as renováveis contribuíram com 41,3 % (158 GWh) da produção eléctrica.

Estes dados, relativos aos primeiros semestres do ano de 2017 e de 2018, representam um aumento na produção de renováveis nestas regiões, “comprovando mais uma vez que Portugal tem capacidade para reduzir a utilização de materiais fósseis”, revela fonte da APREN.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Governo dos Açores anula concurso para construção de navio e direcciona 48,2 M€ para saúde, emprego e economia

Partilhar            O Conselho do Governo dos Açores anulou o concurso público internacional para a concepção e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.