Início / Agricultura / EDIA: Agricultura intensiva de regadio “é perfeitamente compatível com a sustentabilidade dos recursos” hídricos

EDIA: Agricultura intensiva de regadio “é perfeitamente compatível com a sustentabilidade dos recursos” hídricos

O estudo “Regadio 20|30 – Levantamento do Potencial de Desenvolvimento do Regadio de Iniciativa Pública no Horizonte de uma Década”, coordenado pela EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, considera que “a agricultura intensiva de regadio é perfeitamente compatível com a sustentabilidade dos recursos, tendo-se verificado a existência, nos últimos anos, de uma evolução muito positiva nesse sentido. Haverá que implementar medidas de política no sentido de apoiar e acelerar esta tendência”.

Contudo, realça que “o sector agrícola associado ao regadio deverá apostar cada vez mais em informar e comunicar de forma eficiente e generalizada com a sociedade, divulgando o conjunto de práticas aí realizadas e a importância que as mesmas têm para o desenvolvimento do País”.

Segundo o estudo, que está em consulta pública até ao próximo dia 14 de Janeiro — todos os contributos deverão ser remetidos para pnregadio2030@ma.gov.pt —, todos os regadios nacionais existentes e a construir “deverão munir-se de um Plano de Contingência, devidamente aprovado pelas Autoridades Nacionais com responsabilidades na matéria, de forma a gerir de forma cada vez mais eficaz e atempada a carência da água”.

Aproveitamento energético

Por outro lado, refere o estudo que “uma vez que os sistemas de distribuição com maior eficiência hídrica acarretam (quase) sempre consumos eléctricos assinaláveis, é essencial associar o seu desenvolvimento e reabilitação à produção de energia renovável para autoconsumo. Existem já hoje muitas soluções com vantagens económicas e ambientais claras que podem e devem inspirar a acção imediata”.

Neste âmbito, diz o estudo coordenado pela EDIA, “a instalação de centrais fotovoltaicas pode ser particularmente relevante, seja na resposta aos consumos energéticos da rede primária e secundária, seja na rede terciária do beneficiário, seja ainda nas agroindústrias”.

E salienta que “os novos regadios a beneficiar devem contar sempre com os sistemas mais modernos e eficientes ao nível da distribuição de água e também da eficaz verificação dos volumes distribuídos através de aplicação de sistemas rigorosos de contagem de volumes, idealmente monitorizados através de detecção remota”.

“O desenvolvimento do regadio é essencial para alimentar o Mundo, mas tem que ser feito com o máximo de independência energética e mínimo de impacto ambiental, dentro de uma gestão circular dos recursos da região. Para tal, torna-se inevitável o planeamento e uma análise do mesmo ao nível da Avaliação Ambiental Estratégica”, diz ainda o estudo.

Pode consultar aqui o Estudo “Regadio 20|30”.

Entidades que colaboraram no estudo:

  • DRAPN – Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte
  • DRAPC – Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro
  • DRAPLVT – Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Lisboa e Vale do Tejo
  • DRAPALE – Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo
  • DRAPALG – Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve
  • AGPDR2020 – Autoridade de Gestão do Programa de Desenvolvimento Rural 2020
  • IFAP – Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas
  • Fenareg – Federação Nacional de Regantes de Portugal
  • Autarquias
  • Comunidades Intermunicipais
  • Associações de Regantes e Beneficiários
  • Empresas de Consultoria e Projecto

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

PSD: revisão do valor patrimonial tributário dos prédios rústicos vai penalizar áreas superiores a 50 ha?

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) quer saber se o Governo confirma a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.