Início / Agricultura / EDIA adia transferência de água de Alqueva/Alvito/Odivelas. Água para agricultura pode cair 28%

EDIA adia transferência de água de Alqueva/Alvito/Odivelas. Água para agricultura pode cair 28%

A EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva comunicou à ABORO — Associação de Beneficiários da Obra de Rega de Odivelas, em finais de Junho, que não poderá cumprir o plano de transferência de água de Alqueva/Alvito/Odivelas prevista para 2022, plano este que foi transmitido à EDIA no dia 3 de Fevereiro de 2022, tal como o previsto no Despacho 3025/2017.

“Este é um exemplo da falta de coordenação ou da resposta bastante tardia que vai fazer toda a diferença para as culturas já no terreno naquela área de regadio”, diz uma nota de imprensa da FAABA – Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, que considera “imprescindível o reforço da necessária articulação entre a EDIA e as associações de regantes”, tendo em conta os períodos de seca “cada vez mais regulares e a importância do regadio para manter salvaguardada a normalização das produções agrícolas”.

“A falta de planeamento e a falta de comunicação da EDIA com as associações de regantes pode colocar em risco vários milhares de hectares de culturas já instaladas, no perímetro de Rega de Odivelas”, refere a Federação.

Corte no fornecimento de água que poderá chegar aos 28%

Segundo a ABORO, “trata-se de um corte no fornecimento de água que poderá chegar aos 28%, só agora comunicado e que, nesta fase da campanha de rega, inviabiliza a adopção de medidas mitigadoras para acomodar a redução do volume de água no fornecimento decidido pela EDIA. Face às actuais circunstâncias, no próximo mês de Setembro poderá não haver disponibilidade de água na barragem de Odivelas para satisfazer as necessidades de rega de milhares de hectares de culturas instaladas no referido aproveitamento hidroagrícola”.

De acordo com resposta da EDIA à ABORO, “os critérios que presidiram ao dimensionamento do Circuito Hidráulico de Odivelas-Vale do Gaio estabeleceram um caudal nominal para este troço de 6,2 m3/s e tiveram em consideração que a adução aos blocos de rega de Alvito, Baronia, Circuito Hidráulico de Viana, Circuito Hidráulico de Vale do Gaio e o reforço da albufeira de Odivelas não poderiam ocorrer em simultâneo no período correspondente ao pico da campanha de rega (…)”.

Para a ABORO esta é uma questão que vai mais longe, referindo-se à falta de capacidade da rede primária, em resultado da entrada em funcionamento da 2ª Fase de Alqueva. “Esta circunstância leva-nos a encarar o futuro com muita apreensão, dado que só agora estão a entrar em funcionamento os blocos de rega da 2ª Fase, o que significa que no futuro este tipo de constrangimentos irão aumentar, sobretudo se, como se tem vindo a verificar, não houver o devido planeamento por parte da EDIA e a articulação entre esta empresa e as Associações de Regantes que recebem água de Alqueva”

No seguimento do que tem vindo a defender desde sempre, a FAABA reclama “uma maior participação dos agricultores (através das suas estruturas representativas) na gestão da rega de Alqueva e nas decisões a ela referentes”.

“O que se está agora a passar com a ABORO com consequências nefastas para os beneficiários da rega daquela zona, poderá repetir-se em outras áreas sob gestão de outras associações de regantes”, alerta a Federação.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Zero organiza VI Escola de Verão em Sustentabilidade

Partilhar              A Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, em parceria com o Observa/ICS-ULisboa e a APREN …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.