Início / Agricultura / Economia circular: empresas de valorização de orgânicos reciclam 800 mil toneladas de lamas de ETAR

Economia circular: empresas de valorização de orgânicos reciclam 800 mil toneladas de lamas de ETAR

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A AEVO — Associação de Empresas de Valorização de Orgânicos) e os seus associados, num ano marcado pela pandemia Covid-19, mantiveram a sua actividade totalmente operacional, tendo valorizado aproximadamente 480 mil toneladas de lamas resultantes das Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), um produto que resulta do processo de tratamento das águas residuais.

Este valor significa aproximadamente 60% do total de lamas produzidas no ano passado em Portugal, um número em linha com o período homólogo, tendo a sua totalidade sido reutilizada na produção agrícola e florestal, consubstanciando-se assim numa “actividade de grande valor ambiental que, de igual forma, contribui para uma economia e agricultura circulares”, garante a Associação.

Valorização agrícola e compostagem

No total, em 2020, o sector terá valorizado aproximadamente 800 mil toneladas de lamas, cujos destinos foram, maioritariamente, a valorização agrícola directa e a compostagem realizadas por Operadores de Gestão de Resíduos (OGR) vocacionados para a reciclagem de resíduos orgânicos com destino agrícola.

Das lamas recebidas pela AEVO, a grande maioria, cerca de 400 mil toneladas, foram valorizadas através do processo de compostagem, dando origem a um “produto final de excelente qualidade, utilizado na agricultura como correctivo orgânico”.

As restantes, e após os tratamentos de higienização, foram encaminhadas para valorização agrícola directa, um valor residual explicado pelos diversos entraves burocráticos à execução desta técnica, mais rápida e menos dispendiosa do que a compostagem. O produto resultante da valorização directa efectuada pelos OGR, saliente-se, é entregue gratuitamente a agricultores e produtores florestais, que assim podem enriquecer os seus solos sem recorrerem a adubos e fertilizantes químicos.

“Esta actividade é um exemplo perfeito de economia circular, já que transformamos um resíduo num produto que enriquece e valoriza os nossos solos. E além dos ganhos económicos para todas as partes envolvidas, desde o produtor ao agricultor, existe um elevado ganho ambiental, uma vez que ao enriquecermos os nossos solos, pobres em matéria orgânica, contribuímos para uma redução na aplicação de adubos minerais (importados)”, afirma Ricardo Silva, presidente da AEVO.

O responsável da Associação revela ainda que as “400 mil toneladas encaminhadas para compostagem reflectem já os diversos investimentos em curso por parte dos OGR, que permitiram aumentar a capacidade em quase 150 mil toneladas ao longo de 2020”.

“Tendo em conta os planos de investimentos de vários dos nossos associados, com valores superiores a dez milhões de euros, é previsível que esta capacidade possa aumentar para as 700 mil toneladas até ao final de 2022”, conclui Ricardo Silva.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Agricultores do distrito de Leira marcam manif em Lisboa para 14 de Junho, dia de reunião de ministros da Agricultura da UE

Partilhar            A União dos Agricultores do Distrito de Leira (UADL) e a Confederação Nacional da Agricultura …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.