Início / Agricultura / E se as algas fossem usadas como fonte de antioxidantes naturais? Politécnico de Leiria diz que consegue até em óleo de fritura

E se as algas fossem usadas como fonte de antioxidantes naturais? Politécnico de Leiria diz que consegue até em óleo de fritura

O projecto Ocean2Oils pretende utilizar algas como fonte de antioxidantes naturais. Na prática, utilizar extractos de algas comestíveis em óleos alimentares, com vantagens na saúde, diminuindo a absorção de gordura pela matriz alimentar (filetes de peixe, por exemplo) em processos de fritura. Um projecto de investigação do Instituto Politécnico de Leiria.

Implementar a utilização de extractos de algas em óleos alimentares, com o intuito de prolongar o seu tempo de vida útil, é o grande objectivo do Ocean2Oils, um projecto que está a ser desenvolvido pelo MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria, e ao qual foi recentemente concedida uma patente nacional.

“Os óleos alimentares estão sujeitos a reacções de degradação promovidas pelo contacto com o oxigénio (oxidação), por temperaturas elevadas e pela água libertada pelos alimentos, o que resulta na formação de compostos responsáveis pela diminuição das qualidades nutricionais e por defeitos sensoriais, nomeadamente, o ranço. O uso de antioxidantes sintéticos em óleos, isto é, de compostos capazes de prevenir a oxidação, apresenta efeitos limitados devido à sua volatilidade e instabilidade a altas temperaturas, além da evidência de que o seu uso pode ter efeitos cancerígenos”, explica a investigadora Carla Tecelão.

Foi neste contexto que surgiu o projecto Ocean2Oils, financiado pelo Fundo Azul – Direcção-Geral de Política do Mar, que visa explorar as potencialidades que o oceano pode oferecer para ultrapassar alguns constrangimentos no processamento de óleos alimentares, considerando que as algas são uma fonte de compostos de alto valor, em particular, de antioxidantes e pigmentos, que podem ser usados em alimentos e suplementos alimentares.

“Verifica-se que os óleos suplementados com extractos de algas possuem maiores teores de pigmentos (clorofilas e carotenóides) e de compostos fenólicos com elevada actividade antioxidante. Salienta-se que o processo de extracção não utiliza solventes nefastos para o ambiente, recorrendo-se à extracção assistida por ultra-sons (uma técnica emergente, identificada como “verde”). A aplicação de revestimentos com compostos provenientes de algas permitiu reduzir o teor de gordura em filetes de peixe após fritura, tornando-os mais saudáveis”, refere Carla Tecelão.

Exploração de algas comestíveis promovendo a economia circular

O projecto tem como objectivo implementar um processo sustentável e integrado de exploração de algas comestíveis, algumas invasoras da costa portuguesa, promovendo o conceito de economia circular, em três linhas de investigação: utilizar as algas como fonte de antioxidantes naturais para a suplementação de óleos alimentares, aumentando o seu valor nutricional e a sua estabilidade, com consequente redução do impacto ambiental dos resíduos; aplicar os extractos das algas no desenvolvimento de revestimentos comestíveis para aplicação em alimentos antes da fritura, com o intuito de minimizar a perda de água e a absorção de óleo dos produtos fritos; aproveitar a biomassa residual, que ainda é rica em nutrientes, em rações para aquacultura.

O projecto teve início a 2 de Setembro de 2019 e tem a sua conclusão prevista para 28 de Fevereiro de 2022. A sua aplicação prática reside na formulação de óleos alimentares com maior estabilidade a reacções de degradação e, consequentemente, com maior tempo de vida útil. Em termos económicos e ambientais os benefícios são notórios, com a diminuição de resíduos a processar.

O aumento do valor nutricional do óleo alimentar tem também vantagens evidentes para o consumidor, que beneficia de um alimento enriquecido em compostos bioactivos, em particular de carotenóides e compostos fenólicos, que têm demonstrado efeitos na prevenção de doenças cardiovasculares, na redução da incidência de alguns tipos de cancro bem como no controlo do índice glicémico. Os revestimentos comestíveis formulados com compostos extraídos da alga possuem também benefícios para a saúde do consumidor, diminuindo a absorção de gordura pela matriz alimentar (filetes de peixe, por exemplo) em processos de fritura.

O consórcio do projecto Ocean2Oils envolve duas instituições de ensino superior, o Politécnico de Leiria, na qualidade de promotor, e o Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa.

Conta ainda com a participação da empresa Sovena Consumers Goods, líder do mercado português de azeite, óleos vegetais e sabões, e da Francisco Baratizo, sediada em Peniche, que se dedica à comercialização de peixe e produtos da pesca (congelação e transformação de produtos da pesca).

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 more

Verifique também

Produtores de leite da Póvoa de Varzim em risco de falência pedem para serem pagos ao preço mínimo de 38 cêntimos/litro

Partilhar             more  Caso não exista um aumento do preço do leite a breve prazo, toda a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.