Início / Featured / Drone marítimo construído pela Marinha, movido a energia solar, faz travessia autónoma entre Tróia e Lisboa

Drone marítimo construído pela Marinha, movido a energia solar, faz travessia autónoma entre Tróia e Lisboa

O protótipo desenvolvido pela equipa de experimentação operacional da Marinha realizou a primeira travessia costeira de uma embarcação não tripulada militar autónoma, movida a energia renovável.

Na sequência do maior exercício da NATO com sistemas não tripulados, que decorreu na Península de Tróia, entre 11 e 27 de Setembro, — Recognised Environmental Picture (Maritime Unmanned Systems) 2019 – REP(MUS)19 —, a Marinha Portuguesa revelou a existência da Célula Experimentação Operacional de Veículos Não Tripulados (CEOV).

Projectada pelo Comando Naval

A edificação e o objectivo desta célula, projectada pelo Comando Naval, enquanto iniciativa estratégica de transformação do sector operacional da Marinha Portuguesa, é o de “acelerar a adaptação a um mundo em rápida mudança onde as ameaças são ilusórias, disseminadas, e assimétricas por natureza”, revela um comunicado da Marinha.

A CEOV foi criada em Outubro de 2017 e compreende cerca de doze militares da Marinha, de vários postos e classes, com experiência variada e que compartilham interesse e paixão pela engenharia e tecnologia. A célula responde directamente ao Comandante Naval e é orientada de acordo com as suas directivas.

Durante a madrugada do dia 1 de Outubro de 2019, por volta das 6 horas, um dos protótipos desenvolvidos pela célula foi colocado no Rio Sado, junto das instalações navais de Tróia, com o objectivo de realizar a primeira travessia costeira de uma embarcação não tripulada militar autónoma movida inteiramente a energia renovável.

Navegação totalmente autónoma

O drone marítimo realizou a travessia conforme planeado, numa duração de cerca de 12 horas, percorrendo 47 milhas náuticas, tendo realizado o trânsito de saída de Tróia e Barra de Setúbal, dobrando o Cabo Espichel, com destino a à Base Naval de Lisboa, no Alfeite.​ Durante todo o trânsito o protótipo foi acompanhado pelo NRP Cassiopeia que garantiu a segurança e monitorização da travessia, tendo levado uma equipa técnica da CEOV embarcada.

Realizando uma navegação totalmente autónoma, o drone marítimo entrou o porto de Lisboa pelas 13h10, no dia 1 de Outubro assinalando o primeiro teste de utilização de uma embarcação não tripulada da Marinha, movida a energia solar, que cruzou as águas do Rio Tejo com destino à Base Naval de Lisboa, no Alfeite.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Legislativas. PS promete plena implementação das medidas de discriminação positiva previstas no Estatuto da Agricultura Familiar

Partilhar               O Partido Socialista (PS) promete, se ganhar as eleições legislativas de 30 de Janeiro, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.