Início / Mar / Ambiente / Dragagens no Porto de Leixões. PCP quer saber se vestígios cinzentos nas praias estão contaminados contaminados por substância industrial tóxica

Dragagens no Porto de Leixões. PCP quer saber se vestígios cinzentos nas praias estão contaminados contaminados por substância industrial tóxica

O Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português (PCP) quer saber se realização de trabalhos de dragagens, por processo de sucção em arrasto, no âmbito da empreitada de prolongamento do quebra-mar e das acessibilidades marítimas ao Porto de Leixões por iniciativa da APDL – Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, está a colocar sedimentos contaminados por uma substância industrial tóxica nas praias da região. APDL diz que “sedimentos/areias não estão, garantidamente, poluídos”.

Assim, o PCP enviou uma série de questões ao Ministério do Ambiente e da Acção Climática e ao Ministério do Mar, pretendendo saber se “foi analisado o material extraído na actual fase dos trabalhos” e se, em caso afirmativo, “quais os resultados das análises”.

“Tem sido visível a ocorrência de vestígios cinzentos que mancham as águas e os areais das praias nas imediações dos locais onde estão a ocorrer as dragagens”, refere o documento do PCP entregue na Assembleia da República.

E acrescenta que diz a APDL que “estes sedimentos/areias apresentam uma tonalidade escura, tendo em conta o facto de se estar a dragar no fundo do mar, onde existem sempre siltes e lodo. Estas areias, ao serem movimentadas, provocam a suspensão de materiais finos, tendencialmente mais escuros, que criam uma película à superfície/espuma sem, no entanto, constituírem qualquer risco para a saúde.”

No entanto, salienta que “tem havido vozes a duvidar da referida “excelente qualidade”, entre outras a do investigador e hidrobiólogo Bordalo e Sá que, em declarações à comunicação social, que terá alertado para a possibilidade de os sedimentos estarem contaminados por uma substância industrial tóxica. Tendo em conta que as análises disponibilizadas na página web da APDL sobre esta matéria são referentes a Agosto de 2017, o PCP considera que urge esclarecer cabalmente esta situação”.

APDL: “sedimentos/areias não estão, garantidamente, poluídos”

De acordo com informações da APDL, “as dragagens estão a ser feitas no canal de acesso e no anteporto do Porto de Leixões, mas apenas as areias dragadas no canal de acesso são descarregadas na envolvente do Castelo do Queijo. O restante material é descarregado no vazadouro ao largo, a cerca de 2,26 milhas”.

Refere ainda a APDL que “os sedimentos/areias não estão, garantidamente, poluídos, sendo classificados como classe 1, ou seja, de excelente qualidade e que podem ser descarregados directamente nas praias, ou imersos em meio hídrico”.

Nas perguntas enviadas ao Governo, o PCP questiona ainda “como e por quem vai ser feito o acompanhamento dos potenciais impactes das dragagens e como vai ser garantido o cumprimento das medidas de mitigação previstas no Estudo de Impacte Ambienta” e se vai o Governo tomar medidas com vista à regularidade da realização das análises ao material extraído e à disponibilização de informação pública actualizada sobre os seus resultados”.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Agrifish debate desenvolvimento da vacinação contra a gripe aviária

Partilhar              Os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) vão reunir-se em Bruxelas amanhã, 24 de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.