Início / Agenda / Director-geral da DGADR: “não podemos continuar a produzir sem remunerar os produtores”

Director-geral da DGADR: “não podemos continuar a produzir sem remunerar os produtores”

A valorização da qualidade do produto e do apoio aos pequenos produtores locais esteve em discussão no Painel V do III Congresso Empresarial da Póvoa de Varzim. Um tema a que o Município da Póvoa de Varzim, em linha com o Plano Estratégico 2020-2030, “dedica atenção máxima, nomeadamente no apoio constante aos pequenos produtores locais, na valorização da qualidade do que é local e na preocupação com a sustentabilidade ambiental”.

Com moderação do jornalista poveiro Miguel Carrapatoso, a conversa sobre “Agronegócio: pensar o sector (além) da terra” principiou com a intervenção de Rogério Lima Ferreira, que sublinhou que “não podemos continuar a produzir sem remunerar os produtores”.

Para o director-geral da DGADR — Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, o caminho deve ser “priorizar os trabalhadores e tal só é possível reforçando o armazenamento, promovendo a eficiência na utilização do recurso, cada vez mais limitado”, introduzindo conhecimento e tecnologia e não descurando a “sempre importante certificação de produtos”, conforme “é, actualmente, feito no concelho da Póvoa de Varzim”, refere a autarquia em nota de imprensa.

Empreendedorismo no agronegócio

Por sua vez, Salomé Dias, gestora de Projectos Smart Rural/Habitat de Inovação Empresarial nos Sectores Estratégicos (HIESE), explicou como o empreendedorismo pode “ser um factor determinante para o desenvolvimento do agronegócio”.

Apostando na inovação e competitividade, o HIESE faculta serviços de incubação física e virtual, decisivos para a elaboração de planos de negócios e posterior criação de empresas mais capazes de sobreviver no mundo empresarial, nomeadamente na área de produção agrícola, onde “os problemas podem e devem ser vistos como oportunidades, havendo vontade de inovar e fazer a diferença através do uso da tecnologia”, explica Salomé Dias.

A finalizar o debate, o presidente da Agros — e também da Confagri — Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas —, Idalino Leão, ressaltou que a sustentabilidade do agronegócio “depende da justa remuneração do agricultor” e que “é chegada a hora de sermos solidários com os produtores agrícolas, que têm de trabalhar numa actividade económica rentável e de gerar dinheiro para fixar gente e sobreviver”.

O presidente do conselho de administração da Agros defendeu a necessidade de promover o “sector cooperativo, uma filosofia com mais de 100 anos, mas que continua actualizada” e que cuja eficiência “está comprovada e deve ser mais apoiada e incentivada”.

O III Congresso empresarial da Póvoa de Varzim encontra-se a decorrer, no Hotel Axis Vermar, até ao próximo dia 29 de Outubro. A participação é aberta e gratuita a todos os interessados. Consulte o programa completo do III Congresso Empresarial da Póvoa de Varzim, aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Câmara de Santarém atribui Medalha de Ouro ao CNEMA

Partilhar              A Câmara de Santarém condecorou hoje, 14 de Junho, o CNEMA — Centro Nacional de …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.