Início / Agricultura / Culpar os agricultores virou moda

Culpar os agricultores virou moda

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Artigo de opinião de Júlio Alves, olivicultor na Quinta dos Olmais

Depois das emissões de carbono, a última moda lançada contra os agricultores foi acusá-los de serem os principais geradores de dióxido de azoto, resolvi consultar os mapas disponíveis sobre isso e nada pasmado fiquei quando encontrei que as emissões da nova coqueluche dos extremistas ficam nos centros urbanos e logo depois encontramos focos exactamente por cima de complexos industriais ou de mineração e extracção de petróleo.

Em Portugal os principais focos geradores de NO2 são, pasmem-se, Lisboa e Porto…

Bem, a não ser que as vacas agora sejam criadas em apartamentos, no meio de fábricas, em minas da África subsariana ou ao lado de poços de petróleo, parece-me desmistificada esta nova onda pelo que voltemos às famigeradas emissões de carbono.

Vejamos, um só avião Airbus A380 possui um tanque de combustível de 330.000 litros e numa viagem de Paris a São Paulo gasta 110.000 litros, ou seja este avião queima em 3 dias 330.000 litros de combustível. A mesma quantidade de combustível dá para sustentar 2 tractores numa exploração agrícola de 50 hectares durante 10 anos.

Face a isto pergunto-me como é possível continuarem a propagar o mito de que são aos agricultores os grandes responsáveis pelas emissões de gases poluentes?

Mas continuemos com contas, vamos olhar para a evolução de alguns números ao longo de mais de 50 anos:

Números totais mundiais em 1960

Cabeças de gado: 741 milhões
Veículos Automóveis: 127 milhões
Humanos: 3.000 milhões

Números totais mundiais em 2016

Cabeças de gado: 989 milhões
Veículos Automóveis: 1.322 milhões
Humanos: 7.500 milhões

Em 56 anos o planeta teve um aumento de aproximadamente 250 milhões de cabeças de gado, número este que curiosamente se tem mantido estável desde 1975 (existindo até um ligeiro decréscimo nos último anos).

No mesmo período registou-se um aumento exponencial de mais de 1.000 milhões de carros e camiões e isto sem contar sequer com motociclos ou tão pouco com o aumento do número de aviões ou navios (e acreditem que procurei mas não encontrei números absolutos fiáveis em relação à evolução da frota destes últimos meios de transporte).

Finalmente no mesmo período a população da Terra mais que duplicou com um aumento de 3.500 milhões de seres humanos (querem ver que os humanos não geram nem carbono nem metano).

Sendo estes dados públicos como é possível ainda existirem iluminados a querer convencer que a culpa do aumento das emissões de carbono é das vacas?

Não existe carbono gerado por gado

Um nota importante a ter em conta é que não existe carbono gerado por gado pois este carbono já se encontra nas plantas que são consumidas e que por sua vez são fertilizadas pelos dejectos do próprio gado sendo portanto um ciclo. Já o carbono emitido pelos carros é efectivamente gerado pois provêm da queima de combustíveis fósseis retirados do interior da Terra e libertado por esse processo na atmosfera.

Finalmente o carbono gerado pelas máquinas usadas na agricultura é largamente compensado pelos cultivos que tratam e como inicialmente referi muito inferior ao carbono gerado por um só avião.

A agricultura moderna é uma agricultura sustentável, em Portugal é um sector gerador de riqueza e de fonte de divisas para o País por via das exportações (exportando já tanto como o calçado e os têxteis combinados), e é cada vez mais amiga do ambiente (nos últimos 5 anos reduzimos o uso de pesticidas em 30%).

A agricultura tem de ser, é e sempre foi, parte da solução e nunca parte do problema ambiental.

Mas recentemente até parte da elite académica do País começou a descurar factos científicos e a embarcar em modas populistas e demagógicas perigosas. Se não tivessem uma agenda política e quisessem mesmo reduzir o impacto no ambiente, algumas universidades, deveriam era adoptar medidas eficazes como, consumir produtos locais, colocar à disposição do corpo docente transportes colectivos e banir a utilização individual de carros nas viagens de e para a universidade.

A moda

Esta onda no fundo não passa de uma moda e defender o ambiente virou atacar o agricultor e porquê? Porque é muito mais fácil lançar ataques contra uma classe tão heterogenia e desunida como a dos agricultores do que contra os gigantes automóveis ou da aviação.

Vejam a Volkswagen que ainda há poucos anos esteve envolvida na maior fraude ambiental de todos os tempos e hoje já ninguém fala disso, a indústria automóvel tem recursos suficientes para enterrar qualquer notícia ou estudo que os afecte. Já os agricultores nem uma voz comum têm.

Além disso, é muito mais fácil invadir uma exploração agrícola do que uma fábrica de automóveis…

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Comercialização de banana da Madeira cresce 23,2% nos primeiros 4 meses de 2020

Partilhar            A Região Autónoma da Madeira comercializadas 5.146,4 toneladas de banana no primeiro quadrimestre de 2020, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.