Início / Agricultura / Cristina Rodrigues avança com projecto de Lei para proibição das touradas. Praças deverão ser transformadas em equipamentos culturais

Cristina Rodrigues avança com projecto de Lei para proibição das touradas. Praças deverão ser transformadas em equipamentos culturais

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A deputada, não inscrita, Cristina Rodrigues entregou na Assembleia da República uma proposta de Lei, que a ser aprovada, “determina o fim das touradas e prevê apoios para a reconversão das praças de touros existentes em equipamentos culturais”.

Cristina Rodrigues pretende ainda que o Estado apoie “a reconversão das praças de touros existentes em equipamentos culturais, através da aprovação em Orçamento do Estado de uma verba específica para esse efeito”, não avançando qual o valor dessa verba.

Cristina Rodrigues: “concluindo, não só pelo crescente desinteresse da sociedade portuguesa na tourada e, por oposição, a evolução que tem ocorrido relativamente à protecção e bem-estar dos animais e ao crescente reconhecimento dos seus direitos, a tourada é um evento que já não deve ter lugar nos dias de hoje. É, assim, urgente que Portugal dê mais este passo, e deixe de integrar o reduzido grupo de países que ainda admitem esta actividade bárbara”

A deputada explica no seu Projecto de Lei n.º 921/XIV/2.ª, que “as actividades ligadas à tauromaquia provocam ao touro, para além da dor física, um elevado nível de stress. O simples facto de retirar um animal do seu meio natural constitui um factor de stress, agravado pelo seu enjaulamento, transporte, desembarque nos curros e, finalmente, a lide”.

“Importa também dizer que apesar do touro, em Portugal, não morrer na arena (excepto em Barrancos) é abatido depois da corrida ou nas praças que tiverem condições para o efeito ou no matadouro mais próximo”, acrescenta.

Segundo Cristina Rodrigues. “a tauromaquia é uma actividade que tem vindo a sofrer um grande declínio, existindo cada vez menos pessoas, em Portugal e no Mundo, a concordar com a utilização de animais para fins de entretenimento”.

Foto: PAN

E realça que, de acordo com o Relatório da Actividade Tauromáquica de 2019, da Inspecção-Geral das Actividades Culturais, os 153 espectáculos realizados em praças fixas contaram com a presença aproximada de 365.600 espectadores e nos 21 espectáculos realizados em praças ambulantes foram apurados 18.300 espectadores, num total de 383.900 espectadores.

“Fazendo a análise comparativa entre 2010 e 2019 dos espectáculos realizados em Portugal, é possível verificar que o número de espectáculos realizados anualmente tem vindo a diminuir, totalizando estes os 301 em 2010 e apenas 174 em 2019. Igualmente, tem-se verificado a redução do número de espectadores, que totalizavam os 681.140 em 2010 e apenas 383.938 em 2019”.

No Projecto de Lei n.º 921/XIV/2.ª, pode ler-se ainda que apenas 8 países têm ainda práticas tauromáquicas, onde se incluem Portugal, Espanha, França, México, Colômbia, Peru, Venezuela, Equador e Costa Rica. “Mesmo nestes países a questão não é consensual, tendo o Equador proibido a presença de menores na assistência e participação em touradas por considerar a actividade atentatória dos direitos das crianças e a França, que em 2011 tinha incluído a tourada como património cultural, recuou, em 2015, quando o Tribunal Administrativo de Paris determinou o seu afastamento da lista de actividades consideradas património cultural”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Associação Empresarial da Região do Algarve está a recrutar formadores na área da Gestão Ambiental

Partilhar              O NERA — Associação Empresarial da Região do Algarve encontra-se a recrutar formadores na área …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.