Início / Agricultura / Cotações – Flores e Folhagens – Informação Semanal – 15 a 21 Janeiro 2018

Cotações – Flores e Folhagens – Informação Semanal – 15 a 21 Janeiro 2018

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas

Mercados de produção

Alstroeméria – Na Região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, as cotações mantiveram-se estáveis. Oferta média equilibrada com a procura e escoamento sem dificuldades. Boa qualidade comercial.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península Setúbal, terminou a campanha de produção e comercialização desta flor.

Arália – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta foi ligeiramente mais baixa que a procura média. Cotações estáveis.

Cravo/Cravina – Na Região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, registou-se uma descida das cotações, devido ao aumento da oferta e à quebra da procura. Escoamento sem dificuldades. Concorrência de produto espanhol.

Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta e a procura de cravo e de cravina continuaram baixas. As cotações não se alteraram. Fraca qualidade do produto.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península Setúbal, registou-se uma pequena descida na cotação mínima no cravo “Tipo Spray” e da cotação máxima e mais frequente no cravo “Tipo Americano”. Procura superior à oferta. Escoamento normal para a época.

Crisântemo – Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta de “Crisântemo Spray”/«margarida” foi escassa e a procura baixa. Cotações sem alterações.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta manteve-se baixa e a procura superior. Subida da cotação mínima e da mais frequente do crisântemo “Tipo Spray”.

Espargo

Espargo – Na Região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, as cotações mantiveram-se estáveis. Oferta média assim como a procura. Bom escoamento.

Eucaliptus – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a cotação máxima e a mais frequente desceram.

Estrelícia – Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta manteve-se média e a procura fraca. Cotações estáveis.

Feto – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta foi baixa e a procura média/baixa. Escoamento normal para a época. Cotações estáveis.

Frésia – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, iniciou-se a campanha de produção e comercialização da frésia com a oferta ainda baixa e a procura média/baixa. Escoamento normal para a época.

Gerbera

Gerbera – Na Região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, as cotações mantiveram-se estáveis. Oferta média e equilibrada com a procura. Escoamento sem dificuldades. Boa qualidade do produto.

Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta foi escassa e a procura fraca. Descida da cotação máxima da gerbera, categoria II.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, registou-se uma pequena subida na cotação mínima na gerbera “Tipo Standard” e uma descida na cotação mais frequente na gerbera “Tipo Mini”.

Gipsofila – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a cotação máxima e a mais frequente subiram devido ao aumento da procura em relação à oferta.

Gladíolo – Na Região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, as cotações mantiveram-se estáveis. Oferta média, de boa qualidade, procura média e escoamento sem dificuldades.

Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta foi fraca e a procura também. Subida da cotação mais frequente. Flor com a procura cada vez mais fraca, ano após ano.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta foi baixa e a procura ligeiramente superior. Escoamento normal para a época.. Cotações sem alterações.

Íris – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, iniciou-se a campanha de produção e comercialização da íris, com a oferta superior à procura média. Escoamento normal para a época.

Lilium

Lilium – Na região Norte, na área de mercado de produção de Entre Douro e Minho, as cotações mantiveram-se estáveis. Oferta equilibrada com a procura (média). Escoamento regular.
Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta foi regular para a época e a procura baixa. Cotações estáveis.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, as cotações desceram porque a oferta começou a aumentar. Procura média e escoamento normal.

Lisyanthus – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, terminou a campanha de produção desta flor.

Mattiola – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, iniciou-se a campanha de produção, com oferta equilibrada com a procura média.

Rosa

Rosa – Na Região Norte, na área de mercado de Entre Douro e Minho, as cotações subiram, exceto as cotações da rosa < 40 cm, devido à quebra da oferta. Escoamento regular. Concorrência de produto importado do Equador e Holanda.

Na Região Centro, na área de mercado da Beira Litoral, a oferta foi escassa e a procura regular. Corações estáveis. Início da época das podas. Flor importada no mercado (principalmente Equador e Holanda), com mais qualidade.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, terminou a campanha de produção da rosa.

Ruscus – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta foi média /baixa e a procura média. Cotações estáveis.

Statice – Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, as cotações não se alteraram. Oferta baixa e a procura ligeiramente superior.

Tulipa – Na Região Norte, na área de mercado de Entre Douro e Minho, a oferta e a procura mantiveram-se médias. Cotações estáveis. Boa qualidade e escoamento regular. Concorrência de produto holandês.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, na área de mercado da Península de Setúbal, a oferta ainda foi baixa e procura ligeiramente superior. Produção normal para a época. Cotações estáveis.

Mercados abastecedores

MARL

Observou-se uma disponibilidade suficiente para a maioria das espécies, como o antúrio, cravo/cravina, crisântemo, gerbera, gladíolo, lilium, rosas e tulipa. A procura esteve normal e incidiu principalmente no antirrhinum, antúrio, cravo/cravina, crisântemo, estrelícia, flor de cera, irís, gerbera, gipsofila, gladíolo, lilium, rosas e tulipa.

Subida das cotações para o antirrhinum, crisântemo, gipsofila e rosas. A oferta das folhagens como a cameleira, espargo, eucalyptus, fetos, ruscus e treefern, foi suficiente , com cotações estáveis.

Quanto aos produtos vindos do exterior, a procura foi direccionada para o crisântemo, fetos, flor de cera, gipsofila de Espanha, além do crisântemo, orquídea e rosa da Holanda e também rosa do Equador. Subida das cotações do crisântemo e gipsofila de Espanha.

Mercoflores

O Mercoflores manteve-se bem abastecido das diversas flores de corte, com uma oferta suficiente para a maioria das espécies cotadas. A procura esteve média, com maior destaque para o cravo/cravina, crisântemo, gerbera, gladíolo e rosas.

Subida das cotações para o antirrhinum, crisântemo, gipsofila, irís, protea “Cynaroides/king e rosa, descida para o antúrio, cravo/cravina e lisyanthus e as restantes estabilizadas.

Quanto às folhagens, como espargo, eucalyptus cinera, diversos fetos, leucadendron, ruscus e treefern, a oferta foi suficiente , com subida das cotações para o leucadendron. Manteve-se a presença de produto importado, principalmente de cravo, crisântemo, fetos e gipsofila de Espanha, crisântemo, orquídea, rosa e tulipa da Holanda e ainda rosa do Equador.

Subida das cotações do crisântemo e gipsofila de Espanha, crisântemo e rosa da Holanda . Descida das cotações para o cravo de Espanha e tulipa da Holanda.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Associação de Proprietários Rurais contra “intenção de acabar com os cercados de caça maior”

Partilhar            A Associação Nacional de Proprietários Rurais Gestão Cinegética e Biodiversidade (ANPC) está preocupada com algumas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.