Início / Featured / Controlo do enxofre no transporte marítimo tem regras reforçadas

Controlo do enxofre no transporte marítimo tem regras reforçadas

A DGRM — Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos informa que foram reforçadas as regras para o controlo de emissões de enxofre no transporte marítimo, através da publicação do Decreto-Lei n.º 106/2021, de 3 de Dezembro, relativo aos limites do teor de enxofre de certos tipos de combustíveis navais e ao regime contra-ordenacional aplicável.

O Anexo VI da Convenção MARPOL veio impor, a partir de 1 de Janeiro de 2020, os novos limites de teor de enxofre de 0.5% m/m (massa/massa) para a navegação em geral e 0,1% nas zonas de controlo de emissões, nos portos e fundeadouros para estadias superiores a duas horas, matéria reforçada pela Directiva 2012/33/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de Novembro de 2012 refere uma nora de imprensa da DGRM.

Antes, os navios tinham como limite 3,5% de teor de enxofre na navegação. Com esta redução dos limites de enxofre, foram fortemente reduzidas as emissões de NOx e SOx, bastantes prejudicais para a saúde humana e para o meio ambiente em geral.

Regime contra-ordenacional

Com o diploma agora publicado é fixado o regime contra-ordenacional sobre o controlo do enxofre nos combustíveis, funcionando, desde logo, como elemento dissuasor para evitar incumprimentos e efectivamente actuar sobre as situações reais de incumprimento detectadas, estabelecendo diferentes níveis de coimas em função da gravidade da situação detectada, podendo mesmo levar à inibição da operação do navio.

O diploma estabelece “um adequado modelo de actuação e fiscalização entre a DGRM, as Entidades da Energia, as Autoridades Portuárias e as Regiões Autónomas, promovendo igualmente a simplificação de procedimentos e a desmaterialização dos mesmos, nomeadamente pelo uso da Janela Única Logística”.

Com este diploma é “dado mais um passo no caminho progressivo de controlo das emissões dos navios, actuando-se de forma contundente na redução das emissões de óxidos de enxofre e dos óxidos de azoto resultantes da combustão dos combustíveis navais e, consequentemente, minorando os seus efeitos nocivos”, realça a mesma nota.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Bolsa do Porco – Semana 32/2022 – 2,347€ (Subida de 0,020€)

Partilhar              Análise da FPAS — Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores Mercado europeu A Alemanha ia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.