Início / Agricultura / Conde D’Ervideira Private Selection ganha prémio Escolha da Imprensa

Conde D’Ervideira Private Selection ganha prémio Escolha da Imprensa

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Ervideira acaba de ser reconhecida com o prémio Escolha da Imprensa na categoria de tintos do Grandes Escolhas com o Conde D’Ervideira Private Selection, um vinho que está já totalmente esgotado, existindo apenas algumas garrafas disponíveis no mercado e nas Ervideira Wine Shops.

Este vinho tem vindo sucessivamente a crescer em produção, no entanto só é apresentado ao mercado nos anos em que se revela extraordinário. A próxima edição já está escolhida com a de 2019, um vinho que a Ervideira promete ser de nível verdadeiramente superior e será apresentado ao mercado em garrafas de 75cl e Magnum (150cl) durante o Verão de 2021, numa data a anunciar brevemente.

“Este é um vinho mentiroso”, começa por destacar Duarte Leal da Costa, director executivo da Ervideira, “pois diz no contra-rótulo Trincadeira, Aragonez e Alicante Bouschet quando, desde 2001, é feito com Touriga Nacional e Alicante Bouschet. A verdade é que a Ervideira foi a primeira empresa a plantar no Alentejo a casta Touriga Nacional – uma casta não autorizada no Alentejo. Contudo, desde sempre que esta vinha de Touriga Nacional deu grandes vinhos – um deles o Conde D’Ervideira Private Selection – mas como não a poderíamos referir, passámos a escrever Trincadeira e Aragonez, em vez de Touriga Nacional. É por isso um vinho mentiroso”, esclarece Duarte.

Produção

A partir de vinhas de Touriga Nacional e de Alicante Bouschet, as castas são vinificadas separadamente e em cubas rotativas e lagares de pisa mecânica (respectivamente). As uvas são vindimadas à máquina durante a noite e transportadas em camião frigorifico a 20ºC negativos, de forma a não ter fermentações ou oxidações, e entram nos respectivos depósitos de fermentação onde as uvas são mantidas em maceração durante 24 horas a frio e a 7ºC, e só depois fermentam lentamente em temperaturas que podem ir até aos 25ºC.

Fazem depois a malólatica e estágio em barricas novas de carvalho Francês, onde “descansam” durante 12 meses, sendo depois altura de fazer o Assemblage, filtrado e engarrafado, onde “descansa” durante mais outros 6 meses até poder ser apresentado ao mercado.

“É por isso um longo trabalho em vinha e adega, em que é preciso ter conhecimento, paciência, e no final verificar se o vinho tem a qualidade exigida para ser colocado no mercado ou não”, explica Duarte Leal da Costa.

Também o Conde D’Ervideira Private Selection Branco tem sido sucessivamente reconhecido, um vinho das castas Antão Vaz (cerca de 90%) e Arinto (cerca de 10%) mas, neste caso, com uma fermentação e estágio em barricas de carvalho Húngaro.

“Esta distinção apenas reforça a nossa vontade em continuar a trabalhar de forma cuidada, tanto nas vinhas como na adega. Só nos permite concluir que estamos efectivamente a construir um caminho sólido e positivo e isso reflecte-se agora neste prémio que recebemos. Estamos todos muito orgulhosos, pois a Ervideira tem vindo a percorrer um caminho de diferenciação através da inovação no sector e não queremos ficar por aqui com certeza” destaca Duarte Leal da Costa.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Ministra da Agricultura inaugura reabilitação do Aproveitamento Hidroagrícola da Camba

Partilhar              A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, e o secretário de Estado da Agricultura …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.