Início / Mar / Ambiente / Clima-Pesca: o impacto das alterações climáticas no sector das pescas

Clima-Pesca: o impacto das alterações climáticas no sector das pescas

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As alterações climáticas continuam e hão-de continuar a ser um dos temas mais calorosamente debatidos na nossa sociedade. À medida que o tempo vai avançando, a tendência é que o tópico se torne absolutamente central, principalmente tendo em conta que a comunidade científica acredita haver um prazo de não retorno (que talvez já tenha expirado). Estamos, portanto, numa corrida contra o relógio nesta luta para tornar a presença humana sustentável e preservar o nosso planeta. E há várias áreas onde é preciso actuar com celeridade e rigor.

Para além das medidas preventivas e de combate, é também necessário acompanhar os impactos específicos das alterações climáticas em certas actividades, de modo que seja possível fazer uma melhor adaptação e contribuir de forma mais imediata para a preservação do meio. É dessa necessidade que surge o projecto Clima-Pesca, levado a cabo por uma equipa de investigadores do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve e que pretende ter um impacto numa das partes mais brutalmente afectadas pelas alterações climáticas: os oceanos.

O projecto Clima-Pesca

A premissa do projecto passa por fazer um levantamento do conhecimento das pequenas comunidades piscatórias sobre as alterações climáticas através de inquéritos levados a cabo de Norte a Sul do País, promovendo a partilha de informações relevantes sobre o tema (com um óbvio foco nas implicações particulares que se espera que as alterações climáticas tenham em cada uma das diferentes regiões, em médio-longo prazo).

Para tal, o Clima-Pesca procura aproximar os pescadores dos cientistas da Universidade do Algarve através de encontros e formações na área da boa gestão da pesca. Esses dois momentos são absolutamente essenciais para posteriormente definir a vulnerabilidade do sector às alterações climáticas, fazer uma extensiva listagem das espécies de interesse comercial e de sua vulnerabilidade futura e debater a aplicação de medidas de adaptação num sentido mais lato e no seio de cada uma destas comunidades.

Os investigadores do Clima-Pesca consideram que as ferramentas tradicionais utilizadas para fazer a gestão da pesca (tais como as quotas, as épocas de defeso ou a selectividade das artes, só para nomear algumas) são manifestamente escassas ou ineficientes para cumprir os objectivos a que se propõe.

É preciso renovar e adaptar os métodos a este novo contexto. Contexto esse que se caracteriza por mudanças sociais e ecológicas aos mais variados níveis e a um ritmo alucinante, que acaba por directa ou indirectamente afectando os oceanos e todos os seus ecossistemas. E para tal é preciso estudar as tendências do efeito do clima sobre os recursos pesqueiros a um nível mais regional.

Importa notar que, de acordo com os dados publicados no site do Clima-Pesca e utilizados para definir o estado do ambiente marinho da costa portuguesa, se prevê o aumento da temperatura da água entre 1.8ºC e 3.7ºC para o período de 2041 a 2059 (valores médios anuais, dependendo do cenário climático considerado). Previsões que indicam estarmos a lidar com um problema muito sério e com um potencial de devastação enorme.

Financiamento e parceiros

O projecto foi financiado pelo programa MAR2020 (que está ligado ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas) e conta com o apoio de diversos parceiros estratégicos. Um deles é precisamente a Sciaena, uma organização particularmente relevante quando o tema é sustentabilidade. Muito recentemente, a Sciaena partilhou um documento conjunto intitulado “De volta à origem: salvar a biodiversidade da Europa começa no oceano”, onde exigiu à União Europeia a aplicação de medidas concretas e mais incisivas para proteger o mar.

Este apelo foi feito juntamente com 12 outras importantes ONGs a nível mundial, incluindo a Greenpeace e a The Nature Conservancy. A primeira dispensa qualquer tipo de apresentação, e a última ganhou em 2019 o prémio de sustentabilidade Lui Che Woo no valor de mais de 2 milhões de euros (prémio criado precisamente por Lui Che-Woo, um influente empresário de Hong Kong que construiu o seu império na indústria dos casinos).

Para obter mais informações sobre o projecto Clima-Pesca, visite o site oficial aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Atleta de Moura: Stefano da Piedade conquista 5º lugar no Campeonato Nacional de Pesca à Bóia

Partilhar              O atleta do Clube Mourense Amadores de Pesca e Caça Desportiva, Stefano da Piedade, alcançou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.