Início / Política / Ambiente / Cientistas desenvolvem embalagens bio de gelatina

Cientistas desenvolvem embalagens bio de gelatina

Para diminuir os danos ambientais causados pelas embalagens plásticas, um grupo de cientistas brasileiros usou os restos do abate de bovinos e suínos para desenvolver filmes e embalagens biodegradáveis para alimentos. A novidade é resultado de uma série de estudos feitos pelo Centro de Pesquisa em Alimentos da Universidade de São Paulo. O material, originado da cartilagem, dos ossos e da pele dos animais, decompõe-se seis semanas após ser deitado fora e pode ser ingeridos pelos seres humanos.

No Food Research Centre (FoRC), da Universidade de São Paulo, investigadores como os Paulo José do Amaral Sobral e Carmen Tadini dedicam-se a investigar novos materiais para embalagens, baseados em biopolímeros de fontes renováveis, lê-se na página da instituição. Sobral trabalha atualmente com gelatina, uma substância obtida a partir de resíduos da indústria do abate de bovinos (ossos, couro, cartilagem) e suínos (pele), por meio da separação e do tratamento do colágenio (o tecido conjuntivo que segura a estrutura muscular nos ossos).

Os professores da USP já chegaram a um material com características semelhantes aos polímeros sintéticos (plásticos), mas este é sensível à humidade do ambiente. A solução pode estar no uso de nanotecnologia, afirmam.

“É uma proteína produzida no mundo inteiro, pois a sua origem é uma matéria prima abundante e, no geral, de custo reduzido; por isso escolhemos a gelatina. Além disso, ela tem boas propriedades, como a de formar filmes, por exemplo”, salienta Sobral.

A investigação continua

Sobral trabalha também no desenvolvimento de filmes e recobrimentos comestíveis e biodegradáveis (chama-se recobrimento à embalagem aplicada ao alimento, como se estivesse colada). “Usamos plastificantes, como a glicerina, ou seja, polióis, que são equivalentes aos açúcares, embora não sejam calóricos.” O professor alerta que o adjectivo “comestível”, aqui, refere-se a uma possibilidade, e não a um hábito ou obrigatoriedade. “Depende muito da higiene, do local onde o alimento foi guardado”, diz.

Segundo o engenheiro de alimentos da USP, sendo uma proteína de origem animal, este material é naturalmente biodegradável. “Se a pessoa não o consumir e descartar, ele vai desaparecer em cerca de seis semanas, em contacto com o solo. Os micro-organismos do solo, sobretudo os fungos, consomem o material e transformam tudo nos componentes mais elementares possíveis”, explica.

Contudo, ainda há algumas limitações para que o produto seja considerado apto a ser utilizado sem ressalvas. “Tanto a gelatina quanto os plastificantes que usámos, como o glicerol (um subproduto da indústria de biocombustível), são de origem natural e têm grande capacidade de absorver o vapor de água contido no ar”. O problema aqui é que as características do material mudam quando o produto absorve vapor de água, ficando pegajoso. Hoje, este produto teria uma aplicação limitada a regiões muito secas. Mas as pesquisas para o melhorar continuam”, relata Sobral.

Além de tentar modificar as proteínas utilizadas e de testar novos aditivos, o cientista está a tentar também a nanotecnologia para dar conta do problema. “Estamos testando a aplicação de nanopartículas de argila, que têm capacidade de diminuir um pouco essa sensibilidade do material à humidade”. Os investigadores usam a montmorinollita – uma argila natural – e a laponita, que é sintética.

Mas há ainda mais possibilidades no desenvolvimento deste produto. Os cientistas procuram dar novas funções ao material de embalagem: antioxidante e antimicrobiana, adicionando à estrutura, por exemplo, óleos essenciais e outros produtos naturais.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Consórcio liderado pela Navigator cria rótulo em papel capaz de refrescar bebidas em 12 minutos

Partilhar              A The Navigator Company está a cooperar com um conjunto de entidades para a implementação …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.