Início / Agricultura / Chega Açores: há falta de estratégia do Governo Regional para a Agricultura

Chega Açores: há falta de estratégia do Governo Regional para a Agricultura

O Chega Açores considera que há “falta de estratégia” do Governo Regional para a Agricultura e garante que o Programa do XIV Governo da Região Autónoma dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM), “relativamente àquele que é um dos pilares do sector económico na Região” apresenta “várias lacunas”.

No debate sobre o sector agrícola, o Chega fez perguntas concretas ao secretário Regional da Agricultura, António Ventura, “já que encontrou várias lacunas no Programa de Governo relativamente àquele que é um dos pilares do sector económico na Região”.

O deputado Francisco Lima “comparou o Programa de Governo, com 91 páginas, com as duas páginas e meia dedicadas à agricultura, mostrando também as várias páginas dedicadas ao sector no programa eleitoral do PSD e até no programa eleitoral do Chega, já que o presidente do Governo referiu que foram incluídas várias medidas de outros partidos no Programa de Governo”, refere uma nota de imprensa do Chega Açores.

“No documento que vai orientar a governação da coligação, não consta nenhuma medida sobre combate às pragas, nem sobre higiene pública e segurança alimentar, nem mesmo sobre sanidade e melhoramento animal, ou sobre a lei de arrendamento rural”, frisa a mesma nota.

Francisco Lima questionou ainda sobre medidas relativamente ao desenvolvimento de mercados tradicionais, ou sobre medidas para reduzir despesas “com associações e cooperativas falidas, nem como recuperar os avales de milhões que o Governo tem em cooperativas”.

“Falta de estratégia para o sector vitivinícola”

O parlamentar lamentou também a falta de estratégia para o sector vitivinícola – “deixou de ser interessante a produção de vinho na Região?” – questionando, em concreto, sobre a “redução drástica do número de vacas na Região em função das agendas climáticas”, denunciando um acordo secreto neste sentido.

Por seu lado, a deputada Hélia Cardoso questionou o secretário Regional da Agricultura sobre agricultura biológica. Em concreto, a parlamentar quis saber qual a estratégia definida para este tipo de agricultura, pretendendo respostas concretas sobre “quais os mercados? Quais os canais de distribuição? Vamos apostar na agricultura biológica para depois os produtos ficarem a estragar-se em armazéns e não serem escoadas?”.

Já José Pacheco falou sobre o fundo de garantia para os produtores de leite e quis saber quem vai pagar esse fundo. O líder parlamentar do Chega Açores explicou que “um lavrador que esteja em casa a ouvir, entende que este fundo implica que quando o leite não estiver no preço certo, o Governo paga” e questionou directamente António Ventura: “quando a indústria e a distribuição não querem pagar devidamente aos lavradores – mantendo refém quem trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana – são os contribuintes que vão pagar? Vivemos num Estado comunista?”.

Para José Pacheco, é necessário criar ferramentas para que os produtores de leite sejam devidamente compensados pelos seus produtos, no entanto, “não podem ser os contribuintes a pagar, quando a indústria e a distribuição não querem pagar. Isso só na Venezuela”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Oceanário de Lisboa tem bilhetes com 50% de desconto em semana de aniversário

Partilhar              O Oceanário de Lisboa, para assinalar o seu 26.º aniversário, traz a sua mascote Vasco, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.