Início / Agricultura / Centro Pinus apresenta medidas para reverter tendência de decréscimo da floresta de pinho

Centro Pinus apresenta medidas para reverter tendência de decréscimo da floresta de pinho

Em meio século, mais de metade da floresta de pinho desapareceu em Portugal. Por isso, o Centro Pinus — Associação para a Valorização da Floresta de Pinho apresentou medidas para reverter esta tendência de decréscimo e cumprir as metas da Estratégia Nacional para as Florestas.

Dizem os responsáveis pela Associação que “para reverter a situação de declínio do pinhal-bravo é necessário um investimento de 564 milhões de euros nos horizontes temporais 2021-2017 e 2028-2034”.

As medidas foram anunciadas durante o Pinus Webcast “2034: Investir para Mudar a História do Pinheiro-bravo”, no dia 5 de Junho, na plataforma Zoom, que pode rever aqui.

Quando é crítico o desenvolvimento de estratégias de recuperação económica, o Centro Pinus alerta para a reorganização mais eficaz dos fundos europeus de investimento no sector, através de uma reorganização da Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020, na tentativa de reforçar as verbas para o investimento no pinheiro-bravo em Portugal.

Pinus Webcast

Durante a intervenção de um dos oradores convidados, Hugo Costa, do GPP — Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral, foi possível compreender melhor o longo e complexo processo de negociação da PAC pós 2020 e alguns dos desafios de base como o facto de as áreas de maior risco de incêndio coincidirem com áreas privadas de muito pequena dimensão.

Hugo Costa partilhou algumas das reflexões que influenciam a tomada de decisão num processo como a formulação de um programa financeiro como o PDR e a dificuldade de conciliar aspectos como uma maior ambição climática ambiental com recursos limitados, reconhecendo a pertinência das medidas que o Centro Pinus acabou de apresentar.

Apenas 5,1% do PDR 2020 para o pinheiro-bravo

A iniciativa do Centro Pinus “foi bastante relevante na medida em que se estima que haja apenas um investimento de 5,1% do PDR 2020 para o pinheiro-bravo. Recordamos que no último programa equivalente, o Proder, apenas 1% das áreas florestais com apoio à gestão eram compostas pelo pinheiro-bravo. Para reverter a situação de declínio do pinhal-bravo é necessário um investimento de 564 milhões de euros nos horizontes temporais 2021-2017 e 2028-2034, para atingir a meta mínima da Estratégia Nacional para as Florestas de 727.000 hectares de pinheiro-bravo.

Propostas

O Centro Pinus propõe assim várias intervenções: reforçar a remuneração dos serviços ambientais fornecidos por esta espécie, apoiar os proprietários florestais em microfúndio e minifúndio; investir na gestão activa das áreas florestais através de um investimento integrado.

“Assim, todos os proprietários de áreas de pinheiro-bravo poderiam ter uma gestão mais eficaz das suas áreas com apoios, e todos juntos, conseguirem reverter a actual tendência de redução de área de pinhal-bravo”, dizem aqueles responsáveis.

“A motivação dos proprietários para a gestão florestal em minifúndio, que, por vezes, tem sido pela negativa (por exemplo, as multas pela falta de limpeza de terrenos), tem de dar lugar à motivação pela positiva, trazendo benefícios e uma melhor floresta para todos”, segundo João Gonçalves, presidente da direcção do Centro Pinus.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Câmara de Santarém atribui Medalha de Ouro ao CNEMA

Partilhar              A Câmara de Santarém condecorou hoje, 14 de Junho, o CNEMA — Centro Nacional de …

Um comentário

  1. Como é que alguém poderá equacionar plantar pinheiro bravo? O nemátodo, na zona de Águeda, está a acabar com os que os fogos ainda não atingiram 🙁

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.