Início / Agricultura / Catarino: áreas de gestão da paisagem no Pinhal Interior contribuem para defesa da floresta

Catarino: áreas de gestão da paisagem no Pinhal Interior contribuem para defesa da floresta

A criação das Áreas Integradas de Gestão da Paisagem para Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande e Pampilhosa da Serra vai contribuir para a defesa da floresta contra incêndios, disse o secretário de Estado da Conservação da Natureza e das Florestas, João Paulo Catarino, na assinatura de um protocolo entre a FlorestGal e aqueles municípios.

“Se precisássemos de alguma prova, os incêndios de 2022 vieram provar que não basta termos os combustíveis geridos, porque a severidade dos incêndios é cada vez maior. Nos territórios do Pinhal Interior, já é assim desde 2003. Queremos fazer de forma diferente. Não queremos colocar dinheiro em cima de um problema, mas resolvê-lo de uma forma estrutural”, acrescentou, na cerimónia realizada em Figueiró dos Vinhos.

O acordo de colaboração irá permitir a elaboração das Operações Integradas de Gestão da Paisagem, no âmbito das Áreas Integradas de Gestão da Paisagem, que contam com o financiamento total do Plano de Recuperação e Resiliência.

Apoio do PRR 

João Paulo Catarino disse ainda que o problema da floresta terá de ser resolvido “com o apoio da agricultura e de todos os outros usos”. “Percebemos, com o minifúndio que temos, que só com uma gestão agregada e em escala” é que é possível fazer uma gestão de conjunto “destas áreas significativas. Estamos a falar de 7.000 hectares nestas três Áreas Integradas de Gestão da Paisagem, onde o Estado, por via do Governo e do PRR [Plano de Recuperação e Resiliência], apoia a 100% essa transformação, desde que o projecto contribua para esse fim e que os proprietários se mobilizem para essa transformação acontecer”.

O secretário de Estado afirmou ainda que a vantagem deste projecto é ser uma intervenção numa área significativa e não em microparcelas. “Isto ajuda-nos depois a defender esta área da floresta contra incêndios e, depois, a conseguir compartimentá-la com uma cultura agrícola ou com uma faixa de interrupção de combustível ou com outra cultura que nos ajude a criar este mosaico tão importante para que os incêndios não tenham uma progressão tão acelerada”.

Por seu lado, “os proprietários terão um rendimento durante os primeiros 20 anos, cujo valor dependerá de cada projecto”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Orçamento Participativo dos Açores tem 32 propostas vencedoras

Partilhar              A edição de 2022 do Orçamento Participativo dos Açores (OP Açores) contou com mais de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.