Início / Política / Ambiente / Câmara de Boticas contesta Estudo de Impacto de Ambiental da Mina do Barroso opondo-se à exploração de lítio

Câmara de Boticas contesta Estudo de Impacto de Ambiental da Mina do Barroso opondo-se à exploração de lítio

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Câmara Municipal de Boticas já submeteu, através da Plataforma “Participa”, da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a sua contestação ao Estudo de Impacto de Ambiental (EIA) da Mina do Barroso, cujo prazo de consulta pública relativo termina hoje, 16 de Julho, sublinhando, de forma “bem vincada e sustentada, a sua posição contrária” ao estudo e opondo-se à exploração de lítio em Covas do Barroso.

Num documento extenso, com 134 páginas, a autarquia sustenta que o EIA está “repleto de desconformidades para além de padecer, ao nível da avaliação dos impactes, de problemas metodológicos muito graves e de incongruências inadmissíveis”. Pelo que, face à desconformidade do mesmo, “resulta evidente que não estão de forma alguma reunidas as condições para que possa ser feita a avaliação de impacte ambiental e social e tomada uma decisão com base no EIA apresentado”.

A Câmara de Boticas sublinha ainda que “é evidente, e reconhecido no próprio EIA, o impacte negativo aos vários níveis elencados e promete-se a ‘adopção de boas práticas’, em vez de se apontar respostas concretas, falando-se em actividade mineira no curto-médio prazo, como se 12 anos de actividade mineira fossem 12 dias”.

Por isso mesmo, atendendo aos fundamentos apresentados, a autarquia de Boticas entende que “o EIA da Mina do Barroso deve ser objecto de parecer desfavorável na Consulta Pública sobre a Avaliação de Impacte Ambiental, já que esta é a única forma de defender e acautelar os direitos e interesses colectivos das populações e entidades locais, que, auscultadas pelo Município, se pronunciaram unanimemente, de forma clara e fundamentada, contra a instalação do projecto da Mina do Barroso, atendendo a que os impactes resultantes da instalação da mina são tão graves que o projecto não pode ser de forma alguma aprovado”.

A este propósito, o presidente da Câmara de Boticas, Fernando Queiroga, reforça que “sendo tantos os erros e as imprecisões clamorosas de que este Estudo de Impacte Ambiental enferma, será de todo inadmissível que o mesmo não seja rejeitado”, sublinhando que é sua convicção que a APA “irá dar parecer negativo ao mesmo”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Fundão lança concurso para criação da identidade gráfica do Centro de AgroTech. Candidaturas até 23 de Agosto de 2021

Partilhar              A Câmara Municipal do Fundão lançou um concurso de ideias para a concepção da identidade …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.