Início / Agricultura / Caça não está proibida nos 121 concelhos com medidas especiais mas caçadores pedem clarificação das regras ao Governo

Caça não está proibida nos 121 concelhos com medidas especiais mas caçadores pedem clarificação das regras ao Governo

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A renovação da situação de calamidade, com reforço de restrições em 121 concelhos de Portugal continental, e o iminente estado de emergência, não proíbe a actividade da caça. Isso mesmo entendem os presidentes das três Organizações do Sector da Caça de 1.º nível (Fencaça — Federação Portuguesa de Caça; ANPC — Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade; e CNCP – Confederação Nacional dos Caçadores Portugueses).

Por isso pedem que “seja clarificada a situação da caça (a par de outras actividades praticadas em espaços rurais e de ar livre, como a pesca lúdica ou desportiva), para evitar interpretações dúbias e discricionárias”.

Em comunicado conjunto dizem: “a caça não está proibida”, continua a ser uma “actividade que pode ser praticada” desde que cumpridas as “Regras e Boas Práticas a Adoptar no Sector da Caça durante a Pandemia de Covid-19”, que foram aprovadas pela Direcção Geral de Saúde (DGS).

Mas, perante a agendada implementação do estado de emergência, os caçadores estão a desenvolver “todos os esforços junto do Governo e dos Partidos” para que seja garantido que “durante o (iminente) Estado de Emergência, a caça é mantida como actividade permitida, tendo em conta, por um lado, o baixo risco de contágio inerente, e por outro lado, o facto de constituir uma actividade essencial para a coesão territorial”.

Relembre-se que o Conselho de Ministros aprovou a 31 de Outubro, a resolução que renova a situação de calamidade em todo o território nacional continental, das 00h00 do dia 4 de Novembro de 2020 até às 23h59 do dia 15 de Novembro de 2020. Ao todo são 121 concelhos que vão ter medidas especiais para um “melhor combate à Covid-19”.

Em comunicado conjunto, aquelas organizações de caçadores explicam que a caça beneficia do “facto de ser uma actividade com um reduzido risco de contágio entre os intervenientes, ao ser praticada em espaços abertos e com grande distanciamento social, como aliás está expresso no Parecer Técnico da DGS sobre esta matéria”.

Restrições nos 121 concelhos

Realça o mesmo comunicado conjunto que a Resolução do Conselho de Ministros n.º 92-A/2020, de 2 de Novembro, no seu artigo 28.º introduz um conjunto de novas disposições relativamente a 121 concelhos do território continental, determinando nomeadamente o dever cívico de recolhimento domiciliário nestes concelhos, excepto para deslocações autorizadas, incluindo nestas um conjunto de actividades concretas, mas igualmente actividades genéricas(e.g. aquisição de bens e serviços; deslocações para efeitos de actividade física; etc.). Inclui ainda uma disposição (alínea z) do n.º 2 do artigo 28.º) que abarca “deslocações para outras actividades de natureza análoga” às demais, o que alarga o espectro de actividades.

“Importa aqui vincar que se denota nestas determinações uma clara intenção do Governo, ao imprimir o dever cívico de recolhimento nestes 121 concelhos onde o número de casos de Covid-19 activos é mais elevado, de procurar garantir que situações com risco de contágio elevado não devem ocorrer. Igualmente resultou claro, aliás pelas próprias palavras do senhor primeiro-ministro, que a proibição de determinadas actividades e situações, é determinada em função do risco de contágio inerente a cada uma, devendo ainda imperar as orientações da DGS para cada actividade, no caso de existirem, ou orientações gerais, na ausência de parecer técnico sectorial ou específico”, frisa o comunicado.

Ora, dizem os caçadores, “claramente que a caça não se enquadra nestas actividades de elevado risco de contágio, dispondo, por um lado, de parecer técnico da DGS que define regras sectoriais, como, por outro lado, o referido parecer da DGS refere que a Caça, ao ser praticada em espaços abertos e com elevado distanciamento social, não constituí uma actividade de elevado risco, à partida”.

Por fim, aquelas três organizações reiteram a todas as entidades gestoras de zonas de caça, caçadores e agentes do sector cinegético, “a necessidade imperiosa de colaborar no esforço conjunto de superação da crise pandémica que atravessamos e de recuperação do País, designadamente pelo respeito escrupuloso das regras definidas para o sector da caça”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Câmara Municipal lança aplicação de apoio às empresas do concelho com o lema “Compre em Barcelos”

Partilhar            A Câmara Municipal de Barcelos, através de uma parceria com a marca P.negócios.pt, vai disponibilizar …

2 comentários

  1. José Domingues

    Por diabo há.de ser proibido caçar, no mato e campos, por exemplo só ou na companhia dos cães Não percebemos tal atitude discriminatória da DGS. Como se pode criar, atitudes diferentes para a situação pandemica???

    • E verdade amigo nos para distrair um pouco e com grande distância não podemos fazer mas os açassinos políticos podem fazer festas e congreços com os nossos impostos esses não contaminão ninguém

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.