Início / Agricultura / Apicultura. Cientistas criam fungo que acaba com a varroose sem produtos químicos

Apicultura. Cientistas criam fungo que acaba com a varroose sem produtos químicos

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

Uma nova estirpe de fungo, criada em laboratório, pode vir a fornecer um método livre de produtos químicos para erradicar a varroose, uma doença da abelha melífera Apis mellifera L. causada pelos haplotipos da Coreia e do Japão do ácaro Varroa destructor, cujos hóspedes originais são os haplotipos da Coreia e do Japão da Apis cerana.

Uma equipa liderada por entomologistas da Washington State University criou uma estirpe de metarhizium, um fungo comum encontrado nos solos em todo o Mundo, para funcionar como agente de controlo contra ácaros  da varroa.

Ao contrário de outras estirpes de metarhizium, aquela criada pela equipe de pesquisa da WSU pode sobreviver em ambientes quentes comuns em colmeias de abelhas, que normalmente têm uma temperatura de cerca de 35 graus Celsius.

“Sabíamos que o metarhizium podia matar os ácaros, mas era caro e não durava muito porque os fungos morriam no calor da colmeia”, disse Steve Sheppard, professor do Departamento de Entomologia da WSU e autor principal do artigo publicado este mês na Scientific Reports.

“A nossa equipa usou a evolução direccionada para desenvolver uma estirpe que sobrevive em altas temperaturas. Além disso, Jennifer [pesquisadora de pós-doutoramento na WSU] usou esporos de fungos de ácaros mortos, seleccionando-os para virulência contra a varroa”, acrescentou aquel professor.

Jennifer Han, pesquisadora de pós-doutoramento na WSU, liderou o programa de melhoramento junto com os professores assistentes de pesquisa da WSU, Nicholas Naeger e Brandon Hopkins. Paul Stamets, co-proprietário e fundador da empresa Fungi Perfecti, com sede em Olympia, também contribuiu para o artigo publicado naquele jornal científico. Stamets é um especialista em fungos, conhecido por usar várias espécies em aplicações que vão desde a medicina ao biocontrolo.

Ácaros Varroa destructor destrói até 50% das colmeias

Os ácaros Varroa destructor, pequenos parasitas que vivem nas abelhas e sugam seu “sangue”, desempenham um grande papel no Desordem de Colapso da Colónia, que faz com que os apicultores percam entre 30% a 50% das suas colmeias a cada ano. Os ácaros alimentam-se de abelhas, enfraquecendo o seu sistema imunológico e tornando-as mais susceptíveis a vírus.

As principais ferramentas que os apicultores usam para combater a varroa são produtos químicos, como os miticidas, mas estas minúsculas pragas estão a começar a desenvolver resistência a esses tratamentos, disse Naeger.

O metarhizium é como um molde, não um cogumelo. Quando os esporos pousam num ácaro da varroa, eles germinam, perfuram o ácaro e proliferam, matando-o de dentro para fora. As abelhas possuem alta imunidade contra os esporos, tornando-se uma opção segura para os apicultores, garantem os investigadores.

Stamets, que fez alguns dos testes iniciais com metarhizium que mostraram que o fungo não sobreviveu às temperaturas das colmeias, ficou impressionado com o trabalho realizado pelos pesquisadores da WSU.

“A ciência progride por meio de tentativa e erro, e minha técnica não era económica por causa do calor da colmeia”, disse ele. “Mas Jennifer fez um enorme trabalho para romper a barreira térmica com essa nova estirpe”.

Mais de 27.000 ácaros examinados

Han e Naeger examinaram mais de 27.000 ácaros quanto aos níveis de infecção para obter a nova estirpe. “Foram dois anos de trabalho, além de algum esforço preliminar”, disse Han. “Fizemos testes no mundo real para ter certeza de que funcionaria em campo, não apenas em um laboratório”, acrescentou.

Esta é a segunda grande descoberta proveniente da parceria de pesquisa da WSU com a Stamets envolvendo abelhas e fungos. O primeiro envolveu o uso de extracto de micélio que reduziu os níveis de vírus nas abelhas.

“Os extractos ajudam o sistema imunológico das abelhas a reduzir a contaminação por de vírus, enquanto o metarhizium é um agente de biocontrolo potencialmente óptimo para ácaros”, disse Stamets.

O próximo passo é conseguir a aprovação da Agência de Protecção Ambiental para usar metarhizium em colmeias usadas na agricultura. A equipa também deve finalizar os métodos de entrega aos apicultores para aplicarem o fungo nas colmeias.

“Esperamos que em 10 anos, em vez de miticidas químicos, o metarhizium seja amplamente usado para controlar os ácaros Varroa”, disse Sheppard. “E que o problema dos ácaros para os apicultores seja significativamente reduzido”.

Conheça as regras nacionais complementares de aplicação do Programa Apícola Nacional (PAN) relativo ao triénio 2020-2022, definidas pela Portaria n.º 325-A/2019, aqui.

Saiba tudo sobre o Plano de luta contra a varroose, aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
    1
    Share
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 1
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Cavalo Lusitano. Próximas aprovações de machos ao Livro de Adultos na Companhia das Lezírias e na Agrária de Coimbra

Partilhar         1    1ShareSe é produtor de cavalo lusitano, saiba que em 2021 só restam duas concentrações para …

2 comentários

  1. Qual éo produto que pode destruir a varroa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.