Início / Agricultura / Anuário de Alqueva: cultura do girassol continua a ser interessante

Anuário de Alqueva: cultura do girassol continua a ser interessante

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“Actualmente, embora muito dependente da política de preços e ajudas ao rendimento, a cultura do girassol continua a ser interessante”, dizem os técnicos que desenvolveram o Anuário Agrícola de Alqueva de 2017, já disponível online.

Adianta o Anuário que, atendendo à obrigatoriedade na utilização de sementes de qualidade certificadas e aparecimento de novas variedades especializadas dirigidas à indústria de produção de óleos alimentares prevê-se que o interesse nesta cultura se mantenha a longo prazo.

Seguindo o documento, da responsabilidade da EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, continua a ser uma cultura utilizada nas rotações, pois “é uma óptima antecessora dos cereais”.

Menos onerosa por hectare

Em termos financeiros, é uma cultura “menos onerosa por hectare, comparada com culturas como o milho, colza ou hortícolas e com os preços de mercado bastante favoráveis”.

Segundo os agricultores “as oleaginosas estão a afirmar-se como uma cultura alternativa interessante”, tendo sobretudo em conta a baixa de preços que se verifica no mercado mundial dos cereais.

Cultura de rotação

A produção de girassol em Portugal começou como cultura de rotação com cereais como o trigo. Desde o início da sua utilização, esta cultura mostrou-se bastante competitiva, devido à facilidade de maneio e rentabilidade, traduzida no interesse da indústria extractiva de gorduras alimentares.

Oleaginosas

Em Portugal, a cultura do girassol ocupa (2016, INE) cerca de 18.214 hectares, sendo que a região com maior área é a do Alentejo com uma área semeada de cerca de 15.268 hectares (2016, INE), existindo um aumento na última década de cerca de 12.500 hectares.

A produção de oleaginosas assenta, quase exclusivamente, no girassol, produzido em condições de sequeiro, na maior parte das situações.

Com a maior área de produção na região do Alentejo, as unidades de transformação localizam-se na região da Grande Lisboa e no Vale do Tejo, sendo a produção nacional responsável por uma quantidade muito pequena da matéria prima laborada.

O Anuário

A elaboração deste documento, da responsabilidade da EDIA, resulta da recolha de informação sobre as culturas, junto de especialistas, de produtores da região, informação de documentos, artigos e outra bibliografia publicada e disponibilizada pelas várias entidades do sector.

Pode consultar o Anuário Agrícola de Alqueva aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Conselho de Ministros: Governo reforça prioridade à reforma do sector florestal para valorização do território

Partilhar            O Conselho de Ministros de hoje, 4 de Março de 2021, foi totalmente dedicado à …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.