Início / Agricultura / AJAP defende valorização da caça e da agricultura

AJAP defende valorização da caça e da agricultura

A AJAP — Associação dos Jovens Agricultores de Portugal, esteve presente este domingo, 7 de Maio, no CNEMA — Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas, em Santarém, no XXIX Encontro Nacional dos Caçadores Portugueses, o qual serviu também para a comemoração do 30º Aniversário da Fencaça – Federação Portuguesa de Caça. No encontro, Nelson Figueira fez questão de dizer que a “AJAP defende a valorização da caça e da agricultura”.

“Duas datas que evocaram o Panorama Cinegético Português, pois marcam o nascimento do Ordenamento Cinegético em Portugal”. O encontro decorreu no âmbito da Expocaça – Feira Internacional da Caça e das Armas, que reuniu em Santarém caçadores e restantes agentes da actividade cinegética de todo o País, para discutir e aprofundar questões da actividade, bem como para compartilhar experiências e conhecimentos, refere uma nota de imprensa da Associação.

Foi neste contexto que a AJAP participou numa mesa-redonda sobre o tema ‘O Passado, o Presente e o Futuro da Actividade Cinegética em Portugal’ e onde estiveram também outras confederações agrícolas.

Nelson Figueira, da AJAP, destacou, na sua intervenção, que o Regime Ordenado de Caça “tem permitido impor regras e civilizar os comportamentos”, sendo que se registou “uma evolução bastante positiva nesse sentido”. “Relembro que a AJAP tem defendido amplamente uma figura que falta impulsionar mais no País: o Jovem Empresário Rural (JER)”, realçou, vincando que “é algo que cabe, e muito, no debate que aqui estamos a ter sobre a caça”.

Impulso do JER para valorizar o Mundo Rural

“O JER contribui para a diversificação regional da criação de novas empresas em zonas rurais que tanto nos fazem falta e que tanto fixam populações. Valorizar e qualificar os nossos recursos endógenos com actividades inovadoras e ambientalmente sustentáveis e contribuir para rejuvenescer o sector agrícola, incentivando a criação de empresas e empregos noutros sectores de actividade é essencial. E isto não são palavras minhas, está escrito no Estatuto do Jovem Empresário Rural”, acrescentou Nelson Figueira.

Para o técnico da AJAP, a caça e a agricultura são duas áreas que muito preza e confessa: “tento passá-las ao meu filho. Passo muitas horas do meu fim-de-semana nestas duas actividades, e tenho muito prazer que o meu filho, de 16 anos, me acompanhe. Passar o respeito, a ética e o bom comportamento cívico para os mais novos é essencial”.

Nelson Figueira lembrou ainda que o sector da caça pode ajudar o desenvolvimento local, dando o exemplo da sua aldeia, no concelho de Cuba (Alentejo).

“A minha aldeia, com pouco mais de 300 habitantes, em alturas de caça, enche-se de gente, visitantes e a economia altera-se de imediato. A caça é complementar da agricultura e não pode estar divorciada dela. E só se faz em terrenos agrícolas, que têm proprietários e que têm de ser respeitados. Só neste sentido é que este sector pode ser valorizado”, sustentou. Por fim, notou que “é decisivo continuarmos a ser caçadores e agricultores e dar voz a quem defende a caça e agricultura”.

Recorde-se que o XXIX Encontro Nacional dos Caçadores Portugueses foi organizado pela Fencaça.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Confederação das micro e pequenas empresas: redução do IRC visa “essencialmente as grandes empresas”

Partilhar              A CPPME — Confederação Portuguesa de Micro, Pequenas e Médias Empresas considera que “a redução …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.