Início / Apoios e Oportunidades / Aicep publica ficha sobre condições de acesso ao mercado chinês

Aicep publica ficha sobre condições de acesso ao mercado chinês

A Aicep acaba de publicar a “Ficha de Mercado da China”, a qual faz uma análise da economia chinesa, das relações económicas Portugal-China e das condições de acesso ao mercado, apresentando também um conjunto de informações úteis para exportadores e investidores nacionais.

Em 2015, a China registava o segundo maior produto interno bruto (PIB) mundial, em termos nominais, a seguir aos Estados Unidos da América e situava-se na primeira posição em número de habitantes. Segundo dados estimados pelo EIU – The Economist Intelligence Unit, a população era de 1 361 milhões de pessoas, sendo o PIB per capita de 8.220 USD.

Embora se tenha verificado um certo abrandamento nestes últimos anos, a economia da China vinha registando taxas de crescimento consideráveis como resultado da reestruturação económica e da sua inserção no contexto internacional. No entanto, está a verificar-se uma mudança, em termos estruturais, na economia chinesa, passando de uma economia baseada na vertente industrial e nas exportações para uma situação em que o consumo interno e os serviços passam a ser importantes motores do seu crescimento económico.

Revelam os analistas da Aicep que “o incremento do PIB foi de 6,9% em 2015. Registou-se um acréscimo do produto interno bruto de 6,7% no período de Janeiro a Junho de 2016, em termos anuais, mas espera-se uma ligeira desaceleração no segundo semestre, reflectindo-se no acréscimo do PIB previsto pelo EIU para o ano corrente que é de 6,6% (a taxa prevista pelo FMI – Fundo Monetário Internacional é idêntica)”. Prevê-se que o crescimento real do PIB continue a desacelerar gradualmente até 2018. A China passou a ser, em 2009, o primeiro exportador e o segundo importador a nível mundial. Enquanto receptora de IDE (investimento directo do exterior), a China desceu, em 2015, ao terceiro lugar no respectivo ranking mundial, ocupando, nesse ano, idêntica posição no ranking de mercados emissores de investimento directo no exterior.

China, o 10º mercado das exportações portuguesas

Em termos do relacionamento económico bilateral, no âmbito do comércio internacional de bens, o mercado chinês ocupou a 10ª posição no ranking de clientes das exportações portuguesas em 2015, situando-se no 7º lugar enquanto fornecedor. As exportações para a China aumentaram em 2012 e 2014, diminuíram em 2013 e 2015, sendo a taxa média de crescimento anual, nos últimos cinco anos, de 27,1%. O montante das exportações passou de 396,6 milhões de euros em 2011 para 839 milhões de euros em 2015. O número de empresas portuguesas exportadoras de produtos para a China tem vindo a aumentar, tendo sido registadas 1 356 empresas em 2015.

Ao nível das trocas comerciais, desde a sua adesão à OMC, em Dezembro de 2001, a China tem envidado esforços na implementação de um conjunto de medidas tendentes a uma liberalização comercial e económica, diminuindo a lista de produtos sujeitos a contingentes, reduzindo as tarifas aduaneiras e dispensando uma variedade de bens da emissão de licenças de importação.

O documento pode ser consultado aqui.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Empresa belga procura fabricante especializado em mobiliário feito com madeira maciça

Partilhar              Uma empresa belga de design de interiores procura um fabricante especializado em mobiliário feito com …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.