Início / Agricultura / Agricultura, sustentabilidade e competitividade: o triângulo amoroso

Agricultura, sustentabilidade e competitividade: o triângulo amoroso

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Artigo de opinião de Cláudia Brites, Directora do Departamento de Sustentabilidade da Ecoinside

A verdadeira concepção de agricultura sustentável implica que sejam satisfeitas as necessidades das gerações presentes e futuras, através dos seus produtos e serviços, enquanto estão assegurados o lucro, a saúde ambiental e a equidade social e económica. O constante crescimento da população mundial e a insustentabilidade das actividades humanas para além das capacidades de regeneração da Terra apresentam um grande desafio para a agricultura.

Esta urgência de alimento significa que há necessidade de produzir 60% de alimento a nível global, mas ao mesmo tempo um terço do alimento produzido é perdido ou desperdiçado na cadeia de distribuição, com enormes custos financeiros e ambientais.

Com a intenção de alimentar a população mundial, os sistemas de produção foram desenvolvidos através de práticas e políticas cada vez mais desadequadas, e percebemos isso quando vemos que a agricultura a nível global tem o potencial de produzir alimento para todos, mas a maior parte das vezes esse alimento não chega onde é necessário.

A produção nos países desenvolvidos normalmente é altamente subsidiada e protegida da competição internacional. Estes subsídios encorajaram o uso excessivo do solo e químicos que trouxeram impactos negativos e poluição para os recursos hídricos e para os alimentos.

A capacidade de produção e todo o nosso ecossistema tem vindo a sofrer, à vista de todos, com as técnicas de agricultura intensiva. Por estes motivos, e não só, urge que o conceito de sustentabilidade na agricultura promova ecossistemas saudáveis, bem como a gestão sustentável o solo, água e recursos naturais, enquanto assegura a produção de alimento. Só assim é possível conjugar ambientes saudáveis, rendimentos económicos justos e equidade social.

Para os mais distraídos, falar de agricultura sustentável é falar também da utilização de água e de energia com moderação.

Em climas como o nosso é impossível produzirmos exclusivamente em sistemas sem regadio, temos, no entanto, de ter extremo cuidado com a quantidade de água utilizada e evitar desperdícios, que podem aumentar o risco de erosão do solo e a sua contaminação.

Com o desenvolvimento da tecnologia foram, inclusive, criados sistemas de monitorização da necessidade de água e da qualidade da rega, que ajudam o agricultor a tomar a decisão de quando e quanto regar. Sistemas de recirculação e aproveitamento de águas drenadas e lixiviadas são ferramentas de poupança que devem ser utilizadas, assim como a captação e o armazenamento da água das chuvas.

A energia é também um elemento importante na sustentabilidade da produção agrícola, a electricidade e os combustíveis utilizados nas máquinas, conservação e distribuição tem um peso elevado no custo do produto final. É extremamente importante controlar os seus consumos, desenvolvendo estratégias para o aumento da eficiência energética e, quando possível e idealmente, pensar em medidas de auto-suficiência energética.

Por outro lado, não nos esqueçamos de que a agricultura é um sector em que são produzidos muitos resíduos e excedentes, pelo que já existem algumas iniciativas a nível nacional que privilegiam e comercializam ou doam este tipo de produtos. Estes alimentos, supostamente, não terão qualidade para entrar em determinadas cadeias de distribuição, onde por vezes se esquecem de que os produtos agrícolas sem transformação não poderão ter o aspecto e a homogeneidade de produtos que saem de verdadeiras linhas de produção, apresentando aspectos, cores e brilhos bastantes similares.

Regras ditadas por uma sociedade de consumo mundial que deita ao lixo 1,3 mil milhões de toneladas de comida por ano. Será que precisamos mesmo disto? Num mundo onde existem milhares de pessoas a morrer à fome todos os dias? Será que temos de continuar a produzir tanta quantidade e de continuar a ter o impacto ambiental com práticas utilizadas? Ou será que temos de saber distribuir a produção e os alimentos de uma maneira mais equitativa?

Isto leva-nos a outra questão pertinente: os circuitos curtos de comercialização, onde existe (por regra) espaço para o crescimento económico dos pequenos agricultores. Neste momento, temos um grande peso das grandes cadeias de distribuição que detêm o poder da decisão dos preços, o que torna os agricultores demasiado vulneráveis, sendo os intermediários os que conseguem as maiores taxas de lucro. O produtor, não consegue que os preços praticados ao consumidor final sejam reflectidos no seu rendimento, ou se há qualquer tipo de reflexo é no momento de fazer promoções, que muitas vezes são suportadas pelo produtor, diminuindo ainda mais o valor baixo que lhe é pago pelos seus produtos.

Temos vindo a assistir a uma grande batalha para que haja uma distribuição mais justa dos lucros. Algumas organizações de produtores tentam que haja uma indexação do preço final do produto ao preço que é pago ao produtor. Será isto viável?

Com a grande especialização do sector existe um risco acrescido, os produtores ao produzirem apenas uma cultura estão economicamente dependentes de um produto, caso alguma coisa corra mal, desde a descida abrupta dos preços de mercado às intempéries, ficam sem rendimento.

Para além disso, em Portugal não existem serviços públicos de extensão rural adequados, que são assegurados por algumas entidades privadas com ou sem fins lucrativos. Estes serviços são de extrema importância para um planeamento do espaço rural e de apoio ao sector agrícola, servindo como um ponto de ligação e de transmissão de conhecimentos do meio académico para o agricultor. Estes serviços de aconselhamento estão previstos no documento “Estratégia do Prado ao Prato”, enquadrado no Pacto Ecológico Europeu, onde se define a forma de tornar a Europa o primeiro continente com impacto neutro no clima até 2050.

Ora, já em 2015, as Nações Unidas definiram 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, a serem cumpridos até 2030. Um dos objectivos prendem-se com a erradicação da fome, com o alcance da segurança alimentar e melhoria da nutrição e com a promoção da agricultura sustentável.

Parece-nos urgente que as práticas de agricultura sustentável sejam altamente recomendadas devido à necessidade de se respeitar ecossistemas e de os preservar para as futuras gerações, promovendo sistemas de produção de alimentos adequados, que possibilitem uma alimentação saudável e minimizem os riscos de degradação ambiental.

Perante esta evidência, a questão que se coloca é: os nossos governantes, as nossas cadeias de distribuição e os consumidores têm os olhos postos nos agricultores, nas dificuldades sentidas para respeitar os desafios que, como em tantos outros sectores, já se fazem prever com a crise económica que se avizinha?

Estamos num período de transição de quadros comunitários, onde as novas directivas estão de acordo com uma mudança de mentalidades, que se reflectem também nas políticas das empresas mais vanguardistas e atentas aos consumidores. A sustentabilidade está na ordem do dia, tornou-se uma moda, porque já percebemos que não poderemos continuar a usar os recursos naturais da maneira que usámos nas últimas décadas, e a agricultura não é excepção.

É com base nestes pressupostos que surgem cada vez mais iniciativas de grupos retalhistas de avaliação das práticas dos seus fornecedores, preocupados com a origem dos produtos alimentares que comercializam, exigindo certificações de qualidade e avaliando internamente as suas práticas ambientais, agronómicas e sociais. Este é um dos caminhos, que sigamos juntos nele.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Estudo. Olivais modernos aumentam a fixação da população rural

Partilhar            São muitos os defensores de que o olival moderno elimina mão-de-obra, ao substituir pessoas por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.