Início / Agricultura / Agricultores do Sul alertam para necessidade de aumento das reservas hídricas no regadio de Alqueva

Agricultores do Sul alertam para necessidade de aumento das reservas hídricas no regadio de Alqueva

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A ACOS – Associação de Agricultores do Sul congratula-se com o início das obras para a segunda fase das infra-estruturas de rega de Alqueva, posição que defende desde longa data, e que permitirá até 2023, conforme anúncio da EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, um total de 170 mil hectares de terreno agrícola irrigável.

Contudo, e “em representação das diferentes realidades dos seus associados, a ACOS reclama que sejam integrados, nesta fase do projecto, os regadios precários devendo-se, como tal, considerar uma área total irrigável de aproximadamente 200 mil hectares”.

“Sem quaisquer custos para o Estado”

Diz a associação em comunicado que “importa sublinhar que as áreas irrigadas fora do perímetro definido pelo Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, na altura encorajadas pela EDIA, contribuíram para o aumento das taxas de adesão ao regadio e representou avultados investimentos privados quer em culturas permanentes, quer em culturas temporárias. Neste contexto, a ACOS reivindica que estas áreas regadas a título precário, na ordem dos 20 mil hectares, sejam incluídas de forma definitiva na zona beneficiada pelo EFMA, assumindo os proprietários as obrigações decorrentes desta integração, sem quaisquer custos para o Estado”.

A ACOS alerta no entanto para o facto de apenas estarem concessionados 590 milhões m3 como quota disponível para o regadio o que, a considerar os 200 mil hectares, equivale a uma dotação média de apenas 3000 m3 por hectare, muito aquém dos 6500 m3 /ha projectados para o EFMA.

“Daquela quota disponível haverá também que considerar a água a fornecer, sempre que necessário (quantos mais anos secos ocorrerem pior), aos regadios pré-existentes constituintes do EFMA. Ou seja, aquela dotação já de si insuficiente, será ainda bastante agravada, colocando em risco a diversidade cultural existente e as opções por novas culturas no futuro”, acrescenta o mesmo comunicado.

Medidas propostas

Assim, para ultrapassar esta limitação, a ACOS “só vê uma saída possível, que é aumentar a reserva de água para o regadio”, a qual pode ser atingida por um conjunto de medidas que passam por: construção de uma nova barragem no Rio Ardila, projecto já equacionado pela EDIA; renegociação da concessão de água autorizada para agricultura;subida da cota de outras barragens de menor dimensão, designadamente, Pedrógão e Alvito.

Faz parte da estratégia da ACOS a realização de um trabalho técnico, de transferência de tecnologias e de comunicação no sentido de aumentar cada vez mais os níveis de eficiência, designadamente no regadio.

A ACOS é Entidade Reconhecedora de Regantes, certificada pela Direcção Geral de Agricultura, serviço que presta aos agricultores em parceria com o Centro Operativo e de Tecnologias de Regadio (COTR) na aplicação e acompanhamento de medidas que potenciam a utilização racional da água.

Estas medidas integram-se numa estratégia mais abrangente de prestação de serviços especializados aos seus associados, para melhoria de gestão dos recursos naturais e da rentabilidade das explorações agropecuárias.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Optimização do prazo de validade dos alimentos. Programa LL2Fresh apresenta-se em webinar

Partilhar            O Webinar de apresentação do programa LL2Fresh realiza-se já amanhã, dia 29 de Setembro, a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.