Início / Featured / Agentes de Navegação congratulam-se com nova convenção colectiva do trabalho portuário

Agentes de Navegação congratulam-se com nova convenção colectiva do trabalho portuário

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Agepor – Associação dos Agentes de Navegação de Portugal congratula-se com a assinatura de uma nova Convenção Colectiva do Trabalho portuário em Lisboa. “Foi um processo demasiadamente longo e duro que operadores e sindicato, com a ajuda do Governo, conseguiram finalmente concluir. Esperamos que a paz social alcançada seja verdadeiramente duradoura. Esta é uma condição essencial para que se recupere um clima de confiança que permita trazer de volta os navios, os serviços e as cargas para o porto”, diz a associação presidida por Rui d’Orey.

Mas a Agepor realça que esta assinatura deve “também permitir a conjugação de esforços no passo seguinte. A urgente definição de uma estratégia de ordenamento portuário para a região Lisboa/Setúbal. É imperativo garantir ao mercado, quanto antes, que pode apostar no futuro portuário desta região. Há que dar a conhecer o potencial da oferta de amanhã – que terminais, que horizontes, que projectos”.

Futuro dos portos de Lisboa e Setúbal

A associação diz ainda que está “disponível para, e quer activamente, participar nesta definição do desenho futuro dos portos de Lisboa e Setúbal. É um desenho que tarda, é um desenho que urge”.

Complementarmente a Agepor volta a afirmar que existem oportunidades no mercado de transhipment para a construção de novos terminais portuários. “Veja-se os recentes desenvolvimentos em Tanger-Med e Algeciras. Portugal tem condições para se posicionar e ser escolhido para estes projectos. O País precisa de investimento, beneficiaria de mais conectividade, e esta é sem dúvida uma oportunidade que não deve ser descurada”, adianta a associação em comunicado.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

COTHN: diminuir competências da DGAV é “má estratégia com consequências muito graves para a competitividade do sector agrícola”

Partilhar            A direcção do COTHN — Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional diz que “diminuir, ou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.