Início / Agricultura / Aditivo alimentar dióxido de titânio proibido a partir deste Verão

Aditivo alimentar dióxido de titânio proibido a partir deste Verão

A Comissão Europeia adoptou, a 14 de Janeiro, a proibição da utilização do dióxido de titânio (E 171) como aditivo alimentar. A proibição entrará em vigor decorrido um período transitório de seis meses. Ou seja, a partir do Verão, o aditivo deixa de poder ser adicionado aos produtos alimentares.

O dióxido de titânio era utilizado para conferir a cor branca a muitos alimentos, desde pastas para barrar a sopas, molhos ou suplementos alimentares, explica a Comissão Europeia em nota de imprensa. Está também presente nos cosméticos, tintas e medicamentos.

Os Estados-membros subscreveram por unanimidade a proposta da Comissão apresentada no Outono, que se baseou num parecer científico da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, que concluiu que o E 171 já não podia ser considerado seguro quando utilizado como aditivo alimentar.

A proposta da Comissão baseou-se num parecer científico da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), onde se concluiu que o E171 já não podia ser considerado seguro quando utilizado como aditivo alimentar, em especial por não se poderem excluir efeitos genotóxicos.

Genotoxicidade

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos não concluiu que o E171 é genotóxico, mas não conseguiu estabelecer uma dose diária admissível máxima (DDA) para este aditivo alimentar, em especial devido a eventuais preocupações no que diz respeito à genotoxicidade, pelo que concluiu que a segurança do produto não pode ser confirmada.

A genotoxicidade é a capacidade de uma substância ou qualquer outro agente tóxico para danificar o DNA, o material genético das células, o que, por sua vez, pode, como consequência possível, levar ao cancro.

Esta avaliação teve igualmente em conta novos dados que não estavam disponíveis quando a EFSA reavaliou o E 171 em 2016 e utilizou, pela primeira vez, as Orientações da EFSA sobre nanotecnologias de 2018. Além disso, a EFSA também procurou estudos realizados especificamente com nanopartículas de dióxido de titânio.

Isto levou à identificação de quase 10.000 estudos diferentes, que foram examinados individualmente e, quando pertinente, tidos em conta na avaliação da segurança do E 171.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

CAP analisa evolução do sector agrícola na última década em webinar gratuito

Partilhar              A CAP — Confederação dos Agricultores de Portugal realiza no próximo dia 27 de Maio, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.