Início / Agricultura / Açores defendem manutenção do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI

Açores defendem manutenção do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que o Governo dos Açores defende a manutenção, este ano, do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI aplicado em 2019, que reverte para a constituição de uma reserva de crise agrícola, por considerar que o aumento proposto pela Comissão Europeia é elevado e lesivo dos interesses dos agricultores dos Açores.

“De acordo com a proposta apresentada pela Comissão Europeia, todos os agricultores beneficiários do POSEI, com pagamentos de ajudas superiores a 2.000 euros, verão ser aplicada uma retenção de 4,23% sobre os seus pagamentos directos”, referiu João Ponte, acrescentando que em 2019 a taxa aplicada foi de 1,4%.

O Governo dos Açores já manifestou a sua posição sobre esta matéria ao Governo da República, considerando que o valor da taxa proposto irá reduzir a liquidez das explorações agrícolas açorianas, atendendo à fase de pandemia que atravessamos, tendo proposto que a taxa seja mantida para as Regiões Ultra-periféricas.

Proposta da Comissão Europeia é “desproporcional e incompreensível”

João Ponte considerou que a proposta da Comissão Europeia é “desproporcional e incompreensível”, tanto mais que os fundamentos utilizados para este aumento não se consubstanciam na pandemia que estamos a viver, mas sim na constituição de uma reserva de crise, que poderá ser utilizada para fazer face a uma possível sub-orçamentação do futuro quadro financeiro e pelo facto da não contribuição do Reino Unido.

Desde a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) de 2013 tem sido deduzido anualmente um montante aos pagamentos directos, no sentido de constituir uma reserva de crise no sector agrícola que afecte a produção ou a distribuição.

No caso de não ser utilizada até ao final do ano, o dinheiro é devolvido aos agricultores pelos Estados-Membros.

João Ponte salientou, como exemplo, que, em Setembro de 2019, foram devolvidos aos agricultores açorianos, através do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), cerca 800 mil euros de verbas não utilizadas pelo fundo de reserva para crises no sector agrícola nesse ano.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Feira de Vinhos do Continente destaca 400 rótulos em promoção

Partilhar            A Feira de Vinhos está de regresso às lojas Continente e Online, de 24 de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.